terça-feira, 26 de janeiro de 2021

Motivados Pela Compaixão

"Quando Jesus saiu do barco e viu uma grande multidão, teve compaixão deles, porque eram como ovelhas sem pastor. Então começou a ensinar-lhes muitas coisas" (Marcos 6:34)

Às vezes, acho que os cristãos consideram os descrentes como inimigos. Os pregadores irão gritar e reclamar com raiva de certos pecados que as pessoas cometem. Mas vamos lembrar de uma coisa: Por trás desse pecado está uma pessoa vazia, à procura, perdida, a quem Deus ama. 

Não somos chamados para condenar. Somos chamados a nos dirigir aos não cristãos com a mensagem do evangelho. Precisamos de compaixão. Jesus tinha compaixão transbordando em Sua vida. Ele era movido pelas necessidades dos outros.

Quando Ele viu Maria e Marta chorando pela morte de seu irmão, Lázaro, Ele “agitou-se no espírito e perturbou-se” (João 11:33). Essa frase carrega a ideia de angústia física, emocional e espiritual. Jesus é o único que pode dizer com precisão: "Eu sinto a sua dor." Ao ver Maria e Marta chorando, Seu coração se compadeceu delas. Ele também estava angustiado. Ele sofreu por eles. Sofreu com eles. E chorou. Esse é o nosso Salvador.

Jesus sabia que as mesmas multidões que em Jerusalém clamavam "Hosana ao Filho de Davi!" "Bendito é o que vem em nome do Senhor!" "Hosana nas alturas" (Mateus 21:9) logo gritariam "Crucifique-o!" 

Mesmo assim, Ele sentiu compaixão, dizendo: "Jerusalém, Jerusalém, você, que mata os profetas e apedreja os que lhe são enviados! Quantas vezes eu quis reunir os seus filhos, como a galinha reúne os seus pintinhos debaixo das suas asas, mas vocês não quiseram" (Mateus 23:37). 

Paulo escreveu aos Filipenses: "Seja a atitude de vocês a mesma de Cristo Jesus" (Filipenses 2:5). Devemos procurar imitar o Senhor e ter compaixão.

Se quisermos ser usados por Deus em qualquer função, isso deve estar em primeiro lugar em nossas mentes e corações - não obrigação, não mero dever, não culpa, mas uma responsabilidade dada por Deus para as pessoas.

4 comentários: