terça-feira, 13 de outubro de 2020

Sempre Dando Frutos

"Assim também ocorre com a palavra que sai da minha boca: Ela não voltará para mim vazia, mas fará o que desejo e atingirá o propósito para o qual a enviei" (Isaías 55:11)

Certa vez li que Elvis Presley usava uma cruz, uma estrela de Davi e outros medalhões religiosos no pescoço. Quando alguém lhe perguntou por que ele carregava tudo aquilo, sua resposta foi: "Não quero perder o Céu por causa de algum tecnicismo."

Assim era o Rei Nabucodonosor. Ele reconheceu a existência de Deus, mas sempre que se encontrava em apuros também chamava os feiticeiros, astrólogos e mágicos. Ele queria ter tudo sob controle. Acho que Nabucodonosor representa a mentalidade de muitos brasileiros hoje. Eles acreditam em tudo. E esse é o problema.

Como rei da Babilônia, Nabucodonosor chegou a ser a pessoa mais poderosa do mundo. Ele tinha tudo o que uma pessoa poderia querer para ser feliz. Ele viu Deus em ação e foi exposto à verdade da Palavra de Deus. Nabucodonosor sabia o que era certo. Porém, ele simplesmente não agia dessa forma.

No entanto, uma noite, algo tão simples como um sonho adentrou o coração e a mente deste rei. O profeta Daniel, que havia sido levado cativo para a Babilônia em sua juventude, fielmente espalhou suas sementes ao longo dos anos. E ano após ano Nabucodonosor persistiu em sua incredulidade. Mas não foi tudo em vão.

Talvez você tenha tentado, por anos, alcançar alguém para Cristo. Você tem orado por essa pessoa. E pode dizer: "Isso não tá funcionando. Ela nunca vai mudar de opinião."

As coisas só acabam quando terminam. Já ouvi tantas histórias de pessoas que participaram de um evento evangelístico e se comprometeram com Cristo um dia, uma semana ou um mês depois. Uma semente foi semeada, e essa semente começou a germinar mais tarde.

Lembre-se, a colheita não ocorre no final de um culto da igreja; Ela ocorre no final dos tempos.

Um comentário: