quinta-feira, 9 de abril de 2020

Um Modelo de Oração

"Então Jesus contou aos seus discípulos uma parábola, para mostrar-lhes que eles deviam orar sempre e nunca desanimar" (Lucas 18:1)

Por que devemos orar? A resposta é simples: porque Jesus mandou. O próprio Jesus era um modelo disso. Estava sempre orando.

No Jardim do Getsêmani, enquanto tinha em vista os horrores da cruz, Ele orou: "Meu Pai, se for possível, afasta de mim este cálice; contudo, não seja como eu quero, mas sim como tu queres" (Mateus 26:39).

Na cruz, Jesus orou por seus inimigos: "Pai, perdoa-lhes, pois não sabem o que estão fazendo" (Lucas 23:34).

Antes que Jesus ressuscitasse Lázaro dentre os mortos, lemos que Ele ergueu Seus olhos ao Céu e orou (ver João 11:41-42).

E antes de Jesus alimentar aquelas 5.000 pessoas: "Tomando os cinco pães e os dois peixes e, olhando para o céu, deu graças e partiu os pães. Em seguida, deu-os aos discípulos, e estes à multidão" (Mateus 14:19).

A Bíblia também nos conta que as mães traziam seus filhos a Jesus para que Ele lhes impusesse as mãos e orasse por eles (ver Mateus 19:13).

Se Jesus sentia necessidade de orar, quanto mais nós não devíamos fazê-lo? Jesus era Deus, e ainda assim Ele orava o tempo todo, mesmo noite adentro.

Foi-nos ordenado orar. Devemos orar. Temos de orar porque Jesus mandou. Mas, só para argumentar, digamos que orar fosse a coisa mais dolorosa que você pudesse fazer, como um tratamento de canal. Se você já fez um, sabe que é horrível. Mas por causa do que resulta dele, você acha que vale a pena. Do mesmo modo, se orar doesse, você provavelmente oraria ainda assim, pois sabe que vale a pena.

Felizmente, orar não é como um tratamento de canal. Não é difícil e nem dói. Então oremos sem nunca desistir.

Nenhum comentário:

Postar um comentário