segunda-feira, 16 de dezembro de 2019

Qual é a sua Jericó?

"Marche uma vez ao redor da cidade, com todos os homens armados. Faça isso durante seis dias [...] No sétimo dia, levantaram-se ao romper da manhã e marcharam da mesma maneira sete vezes ao redor da cidade; foi apenas nesse dia que rodearam a cidade sete vezes." (Josué 6:3,15)

Quando Deus ordenou que os israelitas marchassem ao redor da cidade de Jericó, eles obedeceram. Enquanto isso, os habitantes de Jericó provavelmente riam. Que bando de tolos! Olha só essa gente! Talvez atirassem coisas nos israelitas ou derramassem lixo neles. Só Deus sabe. Mas todo dia eles marchavam ao redor da cidade.

Por que Deus os deixou fazer isso? Acho que uma razão foi que Ele estava dando aos habitantes de Jericó uma oportunidade de se arrependerem. Eles eram pessoas más. Estavam metidos em tudo quanto é tipo de idolatria, perversão e pecado. Deus tinha pacientemente aguentado a maldade dos cananeus do tempo de Abraão até o de Moisés, um período de 400 anos. Tiveram muita ocasião de se arrependerem antes de Jericó sucumbir. Os cananeus sabiam que os israelitas estavam a caminho. Sua fama já era grande.

Outra razão pela qual eu acho que Deus mandou os israelitas marcharem ao redor da cidade foi para que eles vissem que obstáculo aterrador ela era, e para que percebessem que eles não podiam dar conta dela sozinho.

Como fiéis, temos nossas Jericós na vida, por assim dizer. Problemas que parecem enormes e coisas de que não damos conta sozinhos. E às vezes o Senhor nos faz marchar ao redor deles para que vejamos que não podemos depender apenas de nós mesmos.

A maior dificuldade para muitos é chegar ao ponto em que estejam dispostos a admitir que a encrenca é simplesmente grande demais para si mesmos, a ponto de dizer: "Não consigo sozinho".

Você tem uma Jericó neste momento? Talvez uma doença incurável. Talvez um problema insolúvel. Talvez um casamento arruinado. Talvez um filho pródigo. Por mais que pense em seu conflito, não consegue resolvê-lo. Essa é de fato sua Jericó.

Um comentário: