quinta-feira, 24 de outubro de 2019

Uma Escolha Sábia

"Certo dia, sendo Moisés já adulto, foi ao lugar onde estavam os seus irmãos hebreus e descobriu como era pesado o trabalho que realizavam. Viu também um egípcio espancar um dos hebreus. Correu o olhar por todos os lados e, não vendo ninguém, matou o egípcio e o escondeu na areia." (Êxodo 2:11-12)

Por baixo das vestes reais de Moisés batia o coração de um israelita. Ele cria no Deus de Abraão, Isaque e Jacó. Moisés viu como o seu povo estava sendo maltratado como escravo. Ele poderia ter dito: "Isso é difícil para eles, mas agora é melhor eu ficar quieto. Não quero fazer nada que possa ameaçar a minha posição."

Mas o coração de Moisés foi atrás do povo Hebreu. Ele queria fazer algo por eles. O que ele fez foi algo errado, mas creio que podemos dizer com segurança que o seu coração estava olhando para a direção correta. Hebreus 11:24-25 nos diz: "Pela fé Moisés, já adulto, recusou ser chamado filho da filha do faraó, preferindo ser maltratado com o povo de Deus a desfrutar os prazeres do pecado durante algum tempo."

Moisés pensou que era melhor sofrer do que desfrutar dos prazeres temporários do pecado. Isso nos remete à questão de que o pior de Deus é melhor que o que há de melhor no mundo. Eis as coisas mais difíceis na vida de um cristão: ser perseguido, ser assediado por causa da sua fé - essas são as piores coisas sobre ser cristão, eu imagino.

O que é o melhor que o mundo pode oferecer? Creio que seria sucesso, fama, fortuna, ou provavelmente todos os prazeres que podem ser experimentados. Mas o pior que a vida cristã pode oferecer ainda é melhor do que aquilo que o mundo tem a oferecer.

Sim, há um prazer passageiro no pecado. Eu certamente irei lhe dizer para ficar longe do pecado, mas não iria lhe dizer que o pecado não é prazeroso ou divertido. Há a excitação, o êxtase. Mas então vêm as consequências.

Moisés decidiu buscar o mais difícil ao invés do melhor que o Egito poderia lhe oferecer.

Nenhum comentário:

Postar um comentário