terça-feira, 19 de junho de 2018

Vislumbres do Céu

"O mais importante do que estamos tratando é que temos um sumo sacerdote como esse, o qual se assentou à direita do trono da Majestade nos céus e serve no santuário, no verdadeiro tabernáculo que o Senhor erigiu, e não o homem." (Hebreus 8:1-2)

É importante lembrar que o céu é um lugar real. Muitas vezes pensamos no Céu como uma espécie de culto religioso translúcido, espacial e interminável. Alguns podem pensar, não tenho muita certeza... Não sei se vou gostar do Céu, ficar sentado em uma nuvem, tocando uma harpa, cantando para sempre. Eu gosto da Terra. Mas isso é um mal-entendido sobre o Céu.

O que nós gostamos na Terra? Gostamos da beleza, das alegrias, do amor à família e aos amigos. Há tantas coisas que gostamos na terra. Deus nos deu essas coisas, por isso não precisamos nos sentir mal com elas. Mas eis o que precisamos saber: o Céu não é uma cópia da Terra; O céu é o original e a Terra é a cópia.

O templo construído em Jerusalém era uma cópia do templo real no céu. Hebreus 8:5 nos diz: "Eles servem num santuário que é cópia e sombra daquele que está nos céus, já que Moisés foi avisado quando estava para construir o tabernáculo: 'Tenha o cuidado de fazer tudo segundo o modelo que lhe foi mostrado no monte.'"

Como escreveu C. S. Lewis: "Todas as coisas que já possuíram profundamente a sua alma foram apenas uma pincelada do que é o Céu - vislumbres fascinantes, promessas nunca cumpridas, ecos que desapareceram assim que chegaram aos seus ouvidos." A coisa real é o céu.

As coisas que mais gostamos na Terra estarão esperando por nós no Céu, mas em um estado perfeito. Não perderemos nada. O céu é o lugar real da paz real.

Nenhum comentário:

Postar um comentário