sexta-feira, 20 de outubro de 2017

A Igreja Triunfante

"De todos os lados somos pressionados, mas não desanimados; ficamos perplexos, mas não desesperados; somos perseguidos, mas não abandonados; abatidos, mas não destruídos." (2 Coríntios 4:8-9)

Houve um período na história da igreja que se estendeu do ano 100 DC ao ano 314 DC, durante o qual milhares e milhares de corajosos cristãos selaram seu destino com seu sangue. Os historiadores seculares concordam que houve 10 grandes perseguições - 10 grandes tentativas de eliminar o cristianismo da face da Terra.

Isso começou com o perverso César Nero, que presidiu a morte de Paulo. Os cristãos foram jogados de comida para animais selvagens. Eles foram mortos nas arenas romanas por esporte. Foram destruídos, torturados, queimados em estacas. O imperador romano Diocleciano achou que teve tanto sucesso na erradicação do cristianismo que mandou produzir uma moeda comemorativa com as palavras: "A religião cristã está destruída e a adoração dos deuses [romanos] está restaurada". Bem, as coisas não aconteceram bem assim como Diocleciano pensava, porque a igreja cristã permanece até os nossos dias. E o que restou do império romano? O que restou de César? Como Jesus disse sobre a Sua igreja: as portas do inferno não poderão vencê-la (ver Mateus 16:18).

Quando alguém zomba de nós, nos critica ou quer nos machucar fisicamente porque somos seguidores de Jesus Cristo, tendemos a pensar que isso é a pior coisa que pode acontecer. Mas também é um emblema de honra, porque, se você é perseguido, isso significa que está fazendo algo certo.

Deus permitirá perseguições em nossas vidas. A Bíblia diz: "De fato, todos os que desejam viver piedosamente em Cristo Jesus serão perseguidos." (2 Timóteo 3:12).

Somos rápidos em nos lembrar das promessas de provisão e proteção de Deus, mas não estamos tão ansiosos para nos agarrarmos às promessas de Deus sobre perseguições.
Mas isso pode ter um impacto positivo em nossas vidas.
Link para o texto original

quinta-feira, 19 de outubro de 2017

A Grande Comissão

"Pensem nisto, pois: Quem sabe que deve fazer o bem e não o faz, comete pecado" (Tiago 4:17)

À medida que pensamos na proximidade da eternidade, precisamos olhar para as nossas oportunidades e nos perguntar: "O que estou fazendo com a Grande Comissão que Deus me deu?"

A Grande Comissão não foi uma Grande Sugestão. Em seu idioma original, é um comando. Jesus disse que devemos ir e fazer discípulos de todas as nações. Ele não disse: "Se você arrumar tempo na sua agenda, vá e faça discípulos de todas as nações", ou "Somente aqueles de vocês que são chamados para o evangelismo devem ir e fazer discípulos de todas as nações. Os demais estão desculpados".

Não. Esse comando foi dado a todos nós, não apenas evangelistas, pastores e missionários. É para todos os seguidores de Jesus, incluindo mães, donas-de-casa, funcionários de escritório, estudantes e trabalhadores da construção civil.

O problema é que, para muitos, a Grande Comissão tornou-se a Grande Omissão. E se você não busca a Grande Comissão, isso pode ser um pecado, porque há pecados de instrução e de omissão.

O pecado da instrução é fazer o que você não deve fazer, mas o pecado da omissão é falhar em não obedecer a Deus. Tiago 4:17 diz: "Quem sabe que deve fazer o bem e não o faz, comete pecado." E é isso que acontece quando falhamos em pregar o evangelho. É falhar em trazer a única resposta que pode mudar as pessoas no momento e na eternidade.

É ótimo ajudar pessoas com necessidades físicas. Jesus disse que, quando ajudamos as pessoas necessitadas, fazemos isso por Ele (ver Mateus 25:40). Mas se não conseguirmos trazer-lhes o evangelho, será uma lástima, porque uma vez que nós - e aqueles que conhecemos - entrarmos na eternidade, não haverá outra chance. 

quarta-feira, 18 de outubro de 2017

Não é Simplesmente um Destino

"Não se perturbe o coração de vocês. Creiam em Deus; creiam também em mim. Na casa de meu Pai há muitos aposentos; se não fosse assim, eu lhes teria dito. Vou preparar-lhes lugar. E se eu for e lhes preparar lugar, voltarei e os levarei para mim, para que vocês estejam onde eu estiver." (João 14:1-3)

Warren Wiersbe disse: "Para o cristão, o céu não é simplesmente um destino, é uma motivação".

Precisamos parar de pensar no céu de uma maneira mística, em uma espécie de versão de desenho animado que nos foi transmitida através de vários filmes, livros e comerciais, onde as pessoas estão passeando nas nuvens, tocando harpas.

A Bíblia fala de música e adoração no céu, mas o céu é um lugar real; não é um mero estado de espírito. Jesus disse: "Eu vou preparar um lugar para você. Quando tudo estiver pronto, eu irei buscá-lo, para que você sempre esteja comigo onde eu estou" (João 14: 2-3).

Na verdade, a Bíblia descreve o Céu como "a cidade que tem alicerces, cujo arquiteto e edificador é Deus" (Hebreus 11:10). As cidades são lugares. As cidades têm prédios. Elas têm cultura. Eles têm arte. Elas têm música. Elas têm bens. Elas têm serviços. Eu não vou estar sentado em uma nuvem no céu; Eu vou estar no céu em uma cidade. É isso que a Bíblia promete.

O céu também é descrito na Bíblia como um país: "Em vez disso, esperavam eles uma pátria melhor, isto é, a pátria celestial. Por essa razão Deus não se envergonha de ser chamado o Deus deles, pois preparou-lhes uma cidade" (Hebreus 11:16).

Então o céu é uma cidade. É um país. É um lugar. E quando chegarmos ao Céu, vamos receber novos corpos. Os planos do nosso corpo glorificado estão nos corpos que agora possuímos.

Então, o que é o céu? O céu é um lugar. E o céu é a vida terrena do crente, glorificada e aperfeiçoada.

terça-feira, 17 de outubro de 2017

Tudo Começa Com o Importar-se

"Indo Filipe para uma cidade de Samaria, ali lhes anunciava o Cristo." (Atos 8:5)

No livro de Atos, encontramos essa história sobre Filipe, um dos discípulos de Jesus:

"Indo Filipe para uma cidade de Samaria, ali lhes anunciava o Cristo. Quando a multidão ouviu Filipe e viu os sinais miraculosos que ele realizava, deu unânime atenção ao que ele dizia. Os espíritos imundos saíam de muitos, dando gritos, e muitos paralíticos e mancos foram curados. Assim, houve grande alegria naquela cidade" (Atos 8:5-8). 

Filipe tinha piedade dos não crentes. Considere por um momento onde ele estava indo: Samaria. Sendo um judeu, Filipe normalmente não tinha nada a fazer com os samaritanos. Na verdade, ele estava indo para os inimigos de Israel. Os judeus desprezavam os samaritanos e vice-versa.

Na conversa de Jesus com a mulher no poço de Samaria, ela disse-lhe: "Como o senhor, sendo judeu, pede a mim, uma samaritana, água para beber?" (João 4:9).

Filipe estava disposto a transpassar as linhas culturais com a mensagem do evangelho e a chegar ao povo samaritano. Filipe tinha piedade dos não-crentes, assim como nós também devemos ter.

Alexander Maclaren disse: "Diga-me a profundidade da compaixão de um cristão e eu lhe direi a medida da sua utilidade."

Podemos conversar durante o dia todo sobre técnicas para compartilhar a nossa fé e ter as respostas certas para certas perguntas, mas se não nos importarmos com as pessoas não-crentes, nada disso vai realmente importar.

As pessoas não se importam com o quanto você sabe, até saberem o quanto você se importa. Compartilhar o evangelho começa com o importar-se com o outro.
Link para o texto original

segunda-feira, 16 de outubro de 2017

Entre dois mundos

"Ele fez tudo apropriado a seu tempo. Também pôs no coração do homem o anseio pela eternidade; mesmo assim este não consegue compreender inteiramente o que Deus fez." (Eclesiastes 3:11)

Tenho percebido que, na maioria das vezes, os trailers dos filmes são melhores do que os filmes em si. As melhores partes estão lá. Mas as pessoas não vão ao cinema para assistir ao trailer; elas querem ver o filme.

De muitas formas, a vida na terra é como um trailer, e a eternidade é como um filme. O grande evento é a vida eterna, porque a eternidade é eterna, não é preciso dizer. Tem sido dito que a eternidade para o cristão é como o dia que não acaba, mas para o não cristão é como a noite sem o nascer do sol.

Como cristão, eu sei que estarei com Cristo no Céu. E sei que um dia Ele virá à Terra novamente estabelecer o Seu reino. Eu coloquei minha fé e esperança em Cristo. E essa esperança não se trata de pensamentos positivos ou otimismo cego; é uma confiança silenciosa, uma certeza sobrenatural.

De onde os cristãos obtém essa esperança? Das Escrituras. Como o salmista escreveu: "Tu és o meu abrigo e o meu escudo; e na tua palavra coloquei a minha esperança." (Salmos 119:114)

A partir do momento que nascemos, entramos em uma jornada projetados para algo maior. A razão disso é porque Deus nos fez à Sua imagem. Eclesiastes 3:11 nos diz: "Ele fez tudo apropriado a seu tempo. Também pôs no coração do homem o anseio pela eternidade; mesmo assim este não consegue compreender inteiramente o que Deus fez."

No fundo de nossos corações, temos o desejo de estar com Deus. E até aquele dia, estaremos essencialmente vivendo entre dois mundos.

sexta-feira, 13 de outubro de 2017

Como Uma Sombra

"Diante de ti somos estrangeiros e forasteiros, como os nossos antepassados. Os nossos dias na terra são como uma sombra, sem esperança." (1 Crônicas 29:15)

Um dia, talvez antes do que esperamos, vamos entrar na eternidade. Então, como será medido o valor de nossos dias?

O que vai importar não será o que você comprou, mas o que construiu. Não vai importar o que você teve, mas aquilo que você deu. Não vai importar o que você aprendeu, mas sim o que ensinou. Não a sua competência, mas sim o seu caráter. Não o seu sucesso, mas sim o seu significado. Noutras palavras: por que você fez aquilo que fez?

Um dia, quando estivermos numa cerimônia de premiação no Céu conhecida como Tribunal de Cristo, recompensas serão distribuídas. A questão, aí, não é se você vai ou não para o céu, porque o Tribunal de Cristo ocorre no Céu. Mas as recompensas serão dadas, e o teste, segundo as Escrituras, é da motivação. No dia final, Deus não vai dizer: "Muito bem, servo bom e bem-sucedido".

Em vez disso, Ele dirá: "Muito bem, servo bom e fiel".

Não quer dizer que não se possa ser bem-sucedido e também fiel. Afinal, certamente é melhor do quer ser fracassado e infiel. Queremos fazer o que fizermos pela a glória de Deus e fazer o melhor que pudermos. Mas também queremos ter as prioridades certas, pois a eternidade deve estar sempre em vista em tudo o que dizemos e fazemos.

A Bíblia nos diz que nossos dias na terra são curtos: "Diante de ti somos estrangeiros e forasteiros, como os nossos antepassados. Os nossos dias na terra são como uma sombra, sem esperança" (1 Crônicas 29:15).

Nós agimos como se a nossa vida nesta terra fosse o evento principal, e a nossa vida depois, bom... fica para depois. Mas nada podia estar mais longe da verdade.

quinta-feira, 12 de outubro de 2017

Como Ouvirão?

"Como, pois, invocarão aquele em quem não creram? E como crerão naquele de quem não ouviram falar? E como ouvirão, se não houver quem pregue?" (Romanos 10:14)

Não sabemos o seu nome: a Bíblia simplesmente o idenfica como "homem da Etiópia". Ele basicamente tinha tudo o que este mundo tem para oferecer nas questões de felicidade e realização. Como encarregado de todas as questões financeiras de seu país, ele provavelmente tinha riqueza, influência e fama. Porém havia algo faltando em sua vida, que o fez buscar a Deus.

Essa busca o levou à capital espiritual do mundo, Jerusalém. Esse homem estrangeiro, que possivelmente adorou falsos deuses, acreditava que as respostas às perguntas da vida seriam encontradas lá.

Mas ele não encontrou o que procurava em Jerusalém. Ao invés disso, acabou tendo uma conversa com Filipe. Ele terminou tendo um encontro com Deus no deserto.

Deus poderia, soberanamente, ter conversado com o nobre Etíope, mas para isso Ele escolheu Filipe, que era o homem certo, no local certo, na hora certa. À medida que o tal homem lia um trecho do livro de Isaías, Filipe perguntou se ele estava entendendo o que lia.

Ele respondeu: "Como posso entender se alguém não me explicar?" (Atos 8:31)

Precisamos engajar as pessoas, porque Deus escolheu, em primeiro lugar, pessoas para alcançar pessoas.

Deus poderia enviar uma mensagem para todos, simultaneamente. Ele poderia aparecer para nós. Ele poderia escrever sua mensagem no céu. Ou fazer qualquer outra coisa que quisesse, mas escolheu alcançar os outros através de pessoas, usando comunicação verbal. É isso que a Bíblia quer dizer aqui: "Como, pois, invocarão aquele em quem não creram? E como crerão naquele de quem não ouviram falar? E como ouvirão, se não houver quem pregue?" (Romanos 10:14)

Alguma vez você já pensou em alcançar alguém com uma conversa a respeito de Cristo? Como cristãos, somos chamados a fazer a nossa parte no evangelismo.

quarta-feira, 11 de outubro de 2017

Fé Fajuta

"Pedro respondeu: 'Pereça com você o seu dinheiro! Você pensa que pode comprar o dom de Deus com dinheiro? Você não tem parte nem direito algum neste ministério, porque o seu coração não é reto diante de Deus'." (Atos 8:20-21)

Nem todo mundo que atende ao evangelho é necessariamente cristão.

O livro de Atos conta a história de um feiticeiro chamado Simão. Sua feitiçaria era uma mistura de ciência e superstição, combinando astrologia, adivinhação e práticas ocultas com matemática e astronomia. Simão vinha enganando gente na Samaria com seus atos de feitiçaria.

Aliás, o diabo consegue realizar milagres — maravilhas enganadoras. Ao escrever sobre o Anticristo, o apóstolo Paulo disse: "A vinda desse perverso é segundo a ação de Satanás, com todo o poder, com sinais e com maravilhas enganadoras" (2 Tessalonicenses 2:9).

Talvez os atos de Simão fossem feitos diabólicos, talvez fossem truques com suas mãos. Não sabemos exatamente; mas ele fazia seus truques e todos achavam que ele fosse grandioso.

Então Filipe chegou à cidade e começou a pregar o evangelho com autêntico poder de Deus. Foi um renascimento geral, e as pessoas foram abandonando Simão. Simão começou a perceber que Filipe fazia mal a seus negócios, mas não tinha jeito de competir com ele. Então Simão fingiu converter-se. Sabemos que não foi de verdade porque depois, quando Pedro e João chegaram, eles faziam milagres verdadeiros pela mão de Deus.

Quando Simão lhes ofereceu dinheiro numa tentativa de comprar o poder do Espírito Santo, Pedro o repreendeu e disse: "Pereça com você o seu dinheiro! Você pensa que pode comprar o dom de Deus com dinheiro? Você não tem parte nem direito algum neste ministério, porque o seu coração não é reto diante de Deus" (Atos 8:20-21). Claramente, isso não descreve um crente verdadeiro.

Não se pode comprar o poder de Deus. Não existe substituto para uma relação genuína com Jesus Cristo.
Link para o texto original

terça-feira, 10 de outubro de 2017

O Poder do Evangelho

"Não me envergonho do evangelho, porque é o poder de Deus para a salvação de todo aquele que crê: primeiro do judeu, depois do grego." (Romanos 1:16)

Alfred Nobel, fundador do Prêmio Nobel da Paz, também foi o homem que criou a dinamite. Quando apareceu com esse novo e explosivo tipo de tecnologia, precisou de um nome. Então falou com um amigo que conhecia bem a língua grega e lhe perguntou qual era a palavra para "explosão". A palavra era dynamis. E então Nobel chamou sua invenção de "dinamite".

Quando o apóstolo Paulo escreveu, em Romanos 1:16, "Não me envergonho do evangelho, porque é o poder de Deus para a salvação de todo aquele que crê", a palavra "poder" é tradução da mesma palavra grega dynamis.

Então, pense em dinamite, pense em algo dinâmico, pense numa explosão e você terá uma ideia do que Paulo queria dizer. Há uma força explosiva na simples mensagem da vida, morte e ressurreição de Jesus Cristo. Há uma explosão quando o evangelho sai. E o jeito dele sair é pela pregação. Como diz 1 Coríntios 1:21: "Visto que, na sabedoria de Deus, o mundo não o conheceu por meio da sabedoria humana, agradou a Deus salvar aqueles que crêem por meio da loucura da pregação".

Eu prego o evangelho porque sou um homem sob ordens. Meu comandante, Jesus Cristo, me mandou ir a todo o mundo e pregar o evangelho (ver Marcos 16:15).

Alguns podem dizer: "É isso aí! Vai lá, Greg. Vamos orar por ti!"

Mas não sou o único a quem Jesus mandou fazer isso: Jesus deu essa ordem a todos nós. E embora nem todos sejamos chamados a ser evangelistas, todos somos chamados a evangelizar. Isso quer dizer: você. E quer dizer: eu. Todos temos parte nessa missão.
Link para o texto original

segunda-feira, 9 de outubro de 2017

O Que Se Segue à Bênção

"O semeador saiu a semear. Enquanto lançava a semente, parte dela caiu à beira do caminho; foi pisada, e as aves do céu a comeram”. (Lucas 8:5)

Depois que Deus disse a Adão que ele poderia comer de todas as árvores no Jardim do Éden, exceto uma - a Árvore do Conhecimento do Bem e do Mal - parece que não demorou muito até que Satanás aparecesse para botar em prática a sua tentação.

Isso me lembra uma passagem no Novo Testamento, a parábola do semeador. Jesus contou esta parábola sobre um fazendeiro que saiu a semear. Algumas sementes caíram ao longo da estrada, as quais os pássaros vieram e comeram rapidamente (ver Lucas 8:5).

Todos sabemos o que é isso. Você já esteve sentado em um parque e jogou pipocas no chão? As aves vêm de repente de todos os lados. Depois, há as gaivotas na praia, que voam embora com a sua comida ou com qualquer outra coisa que possam encontrar por perto.

Jesus usou os pássaros arrebatando a semente do fazendeiro para ilustrar uma lição espiritual: "As que caíram à beira do caminho são os que ouvem, e então vem o diabo e tira a palavra dos seus corações, para que não creiam e não sejam salvos" (Lucas 8:12).

É por isso que precisamos orar por pessoas que acabaram de chegar a Cristo, porque o diabo estará lá com tentações, com dúvidas e com investidas de outras coisas. Ele não aguardará um ano para passar. Ele não vai esperar nem um mês. Talvez não espere nem uma hora.

Podemos sair da igreja e, de repente, vem a tentação. Pensamos: o que é isso? O diabo quer minar o que acabou de acontecer em nossas vidas. Mas temos a escolha se vamos permitir isso em nossos corações e mentes.

Sempre que Deus está abençoando, podemos esperar o diabo se opondo.

sexta-feira, 6 de outubro de 2017

Toda Geração é Estratégica

"E lhes disse: 'A colheita é grande, mas os trabalhadores são poucos. Portanto, peçam ao Senhor da colheita que mande trabalhadores para a sua colheita'." (Lucas 10:2)

Billy Graham disse: "A colheita evangelística é sempre urgente. O destino dos homens e das nações está sempre sendo decidido. Cada geração é crucial, estratégica. Não somos responsáveis ​​pela geração passada e não podemos assumir total responsabilidade pela próxima, mas temos a nossa geração! Deus nos responsabilizará."

Vemos este princípio no livro de Atos, onde o bastão foi passado por Pedro e Paulo para a próxima geração, que o passou para o próxima, e assim por diante.

Jesus nos orientou a ir e fazer discípulos em todas as nações (ver Mateus 28:18-20). Mas aqui está o problema: a colheita é enorme, mas os trabalhadores são poucos. Muitas vezes, em vez de estar no campo, os trabalhadores ficam dormindo. Provérbios 10:5 diz: "Aquele que faz a colheita no verão é filho sensato, mas aquele que dorme durante a ceifa é filho que causa vergonha." 

Isso certamente se aplica para ir e fazer colheitas e ser um trabalhador dedicado, mas também podemos aplicar tal princípio para a colheita de almas.

Às vezes, uma das razões pelas quais dormimos na colheita é porque estamos bem alimentados. Estamos focados na próxima refeição, no próximo estudo bíblico, na próxima mensagem. Estamos sempre recebendo, mas pensamos muito pouco em dar. Se vivermos desse jeito, então corremos o perigo de acabar obesos espiritualmente.

Temos a nossa geração para alcançar. Vamos personalizar o nosso trabalho. Você tem a área de influência: o seu círculo de amigos, vizinhos, colegas de trabalho e família.

Então, aqui está a minha pergunta: você é um filho ou filha que está no campo? Ou você dorme durante a colheita?

quinta-feira, 5 de outubro de 2017

Você Tem Se Reabastecido?

"Não se embriaguem com vinho, que leva à libertinagem, mas deixem-se encher pelo Espírito, falando entre si com salmos, hinos e cânticos espirituais, cantando e louvando de coração ao Senhor." (Efésios 5:18-19)

Digamos que você tenha saído para comprar um carro novo. Você está passeando com ele, feliz, na primeira semana, quando inexplicavelmente ele falha e para. Então você chama o guincho e o leva de volta para a concessionária. 

Chegando lá, a pessoa que vendeu o carro pede as chaves, tenta ligar o carro e vê que a luz de combustível está acesa. Ele pergunta: "Mas você reabasteceu?"

"Não, achei que era movido à luz solar."

"Não é movido à luz solar. Você precisa reabastecer o seu carro."

É a mesma coisa na vida Cristã. Estamos animados e as coisas vão bem. Mas, de repente começamos a falhar. Então perguntamos o que há de errado? A pergunta é: você tem se reabastecido? Precisamos estar abastecidos com o Espírito Santo.

Isso não é um evento único. Efésios 5 nos diz: "Não se embriaguem com vinho, que leva à libertinagem, mas deixem-se encher pelo Espírito, falando entre si com salmos, hinos e cânticos espirituais, cantando e louvando de coração ao Senhor." Na linguagem original, poderia ser traduzido como "Estejam constantemente cheios do Espírito." Precisamos nos reabastecer de Deus.

Contextualmente, o versículo acima continua falando para as famílias, sobre maridos e esposas, pais e mães. Então Deus está dizendo, de fato, que se você quer ser um bom marido, precisa estar cheio do Espírito Santo. Se quer ser uma boa esposa, precisa estar cheio do Espírito Santo. Se quer ser um bom pai ou mãe, precisa estar cheio do Espírito Santo.

Precisamos da ajuda de Deus para fazer tudo que Ele nos chamou a fazer.

quarta-feira, 4 de outubro de 2017

Não É Uma Sugestão

"Portanto, vão e façam discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo, ensinando-os a obedecer a tudo o que eu lhes ordenei. E eu estarei sempre com vocês, até o fim dos tempos." (Mateus 28:19-20)

As palavras de Jesus aos discípulos em Mateus 28:19-20 são muitas vezes chamadas de a "Grande Comissão". E no idioma original, essas palavras são um comando - não uma sugestão.

Você pode achar essa afirmação um pouco controversa, mas creio que não pregar o evangelho pode realmente ser um pecado.

Alguns podem dizer: "Agora você foi longe demais. Isso não é um pecado. Talvez seja uma lacuna. Talvez eu não esteja fazendo tudo o que poderia. Mas eu não sei se classificaria não compartilhar a minha fé como um pecado."

Mas acho que poderia ser sim, um pecado. Poderia ser um pecado de omissão, porque a Bíblia diz: "Quem sabe que deve fazer o bem e não o faz, comete pecado" (Tiago 4:17).

Digamos que você fosse um cientista que tivesse descoberto a cura para o câncer. Por algum motivo desconhecido, você decidiu manter isso em segredo absoluto. Isso seria irresponsável? Claro que sim. De certa forma, seria quase criminoso se considerarmos todas as pessoas que sofrem com o câncer e que poderiam ser ajudadas.

Ou digamos que você estivesse caminhando pela rua e houvesse uma casa em chamas com pessoas lá dentro. Você poderia correr e tentar retirá-las. Ou você poderia pelo menos gritar para avisá-las. No mínimo, você discaria para o 193 para que o Corpo de Bombeiros pudesse resgatá-las. Mas você simplesmente dissesse: "Alguém mais vai ligar. Alguém mais vai cuidar disso", e você continuasse caminhando. Isso seria ruim? É  claro que sim.

Quanto mais assustador é, então, quando conhecemos a cura para a separação eterna de Deus, e ainda assim não a dizemos a ninguém? Se realmente acreditamos nisso, devemos compartilhar a Palavra de Deus com outras pessoas.

terça-feira, 3 de outubro de 2017

Será Que Realmente Acreditamos?

"E lhes disse: 'A colheita é grande, mas os trabalhadores são poucos. Portanto, peçam ao Senhor da colheita que mande trabalhadores para a sua colheita.'" (Lucas 10:2)

Uma história interessante é contada sobre um notório criminoso do século XIX chamado Charles Peace, que foi preso e condenado à forca pelos seus crimes. Na manhã de sua morte, quando ele andava em direção à sua execução em Leeds, na Inglaterra, um capelão da prisão que lhe fora designado, andava por lá, casualmente lendo alto.

Quando Peace perguntou ao capelão o que estava lendo, ele respondeu: "As consolações da religião".

Indignado que este capelão pudesse dar uma oferta tão sem coração, Peace teria se voltado para o capelão e lhe disse: "Senhor, se eu acreditasse no que você e a igreja de Deus dizem que acreditam, mesmo que a Inglaterra estivesse coberta de vidro quebrado de norte a sul, eu caminharia sobre isso, engatinhando se necessário e pensaria que valeria a pena viver, apenas para salvar uma alma de um inferno eterno assim!"

Pergunto-me se nós, como cristãos, realmente acreditamos nas coisas que dizemos que acreditamos? Quando Jesus enviou os Seus discípulos, disse-lhes: "A colheita é grande, mas os trabalhadores são poucos. Portanto, peçam ao Senhor da colheita que mande trabalhadores para a sua colheita" (Lucas 10:2).

Estudos revelaram que 95% dos cristãos de hoje nunca levaram outra pessoa a Cristo. Por que isso? Eu arriscaria dizer que talvez seja porque não acreditamos no que dizemos que acreditamos, tanto quanto dizemos que acreditamos.

Realmente acreditamos no que dizemos? Dizemos acreditar que existe um céu, e acreditamos que existe um inferno. Ora, se realmente acreditamos nisso, quando foi a última vez que pessoalmente falamos sobre Jesus Cristo com alguém?

segunda-feira, 2 de outubro de 2017

O Poder da Sua História

"'Irmãos e pais, ouçam agora a minha defesa'. Quando ouviram que lhes falava em aramaico, ficaram em absoluto silêncio." (Atos 22:1-2)

O que é um testemunho? É basicamente a história de como você chegou à fé em Cristo. Na verdade, acho que é uma das ferramentas mais eficazes na caixa de ferramentas evangelísticas de um cristão.

Pense no apóstolo Paulo, que foi um dos maiores intelectos que já viveu. Ele também era um orador poderoso. No entanto, em quase todas as ocasiões em que Paulo estava pregando o evangelho, ele começava com o seu testemunho, a sua história de como chegou a Cristo. Por que ele fazia isso? Ele entendeu que através de seu testemunho ele conseguia criar uma ponte para com os seus ouvintes.

Esse é o objetivo ao compartilhar o evangelho. É sempre construir uma ponte, não destruir. Parece-me que, muitas vezes, quando estamos tentando nos conectar com os não-cristãos, destruímos este caminho imediatamente, dizendo algo desagradável. Ou usamos palavras que eles não entendem. Mas nosso objetivo deve ser de nos comunicar da melhor maneira que pudermos.

Então, o que exatamente é um testemunho? É a sua história. Você pode dizer: "Bem, Greg, meu testemunho não é tão dramático. Nunca fui viciado em drogas. Não tive uma vida criminosa."

Mas cada testemunho é válido. E aqui está a base de tudo: a história de cada cristão é essencialmente a mesma. Se você esteve na prisão ou viveu uma vida relativamente ética, sua história como seguidor de Cristo é simplesmente esta: você estava separado de Deus. Você ouviu o evangelho. Você chegou à fé em Jesus Cristo.

E aqui está o melhor: embora a sua história não seja dramática, é também a história de outra pessoa. Ao compartilhar o seu testemunho, você está construindo uma ponte para uma outra pessoa. E você pode caminhar sobre essa ponte com a mensagem do evangelho.