quinta-feira, 13 de abril de 2017

A Prioridade da Igreja Primitiva

"Eles se dedicavam ao ensino dos apóstolos e à comunhão, ao partir do pão e às orações." (Atos 2:42)

Lucas poderia ter chamado à atenção sobre muitas coisas na igreja primitiva, no início, ao registrar a sua história no livro de Atos. Afinal, a igreja no começo era vibrante, alegre e em rápida expansão. Mas Lucas fez questão de nos lembrar que os cristãos do primeiro século estudavam as Escrituras em conjunto.

Talvez tenha sido uma tentação para aqueles cristãos olhar para trás com grande apreço ao Pentecostes e dizer: "Por que todo culto não pode ser como Pentecostes? Lembram do Espírito Santo vindo sobre nós e das chamas de fogo divididas? Lembram de todas as línguas que falamos?" Mas o Pentecostes foi como a explosão que deu partida ao motor. E em vez de relembrar, a igreja estava se revelando na Palavra de Deus.

Uma tendência na igreja de hoje, porém, é ignorar o estudo das Escrituras. Alguns pastores dirão coisas como: "As perguntas são as novas respostas. Não vamos ter um sermão. Vamos conversar. Vamos falar sobre o último filme ou partilhar nossas dúvidas e lutas. Além disso, é arrogante dizermos que sabemos o que a Bíblia ensina, porque Deus é muito grande para nós O entendermos, e a sua verdade é muito misteriosa para a distinguirmos com certeza."

Outra tendência é marginalizar a Palavra de Deus. Uma igreja pode ter seus vídeos, seu drama, seus clipes de filme, seus testemunhos e até mesmo sua dança, às vezes. Então, no final, eles tem um "sermãozinho", uma pequena conversa com o pastor. O problema com isso é que os "sermãozinhos" produzem "cristãozinhos".

A Bíblia é viva e poderosa. Hebreus 4:12 nos diz, "Pois a palavra de Deus é viva e eficaz, e mais afiada que qualquer espada de dois gumes [...]"

A igreja no início amava, revelava e estudava a Palavra de Deus. E assim devemos ser hoje.

Nenhum comentário:

Postar um comentário