quarta-feira, 23 de março de 2016

Tempestades Pedagógicas

"Suportem as dificuldades, recebendo-as como disciplina; Deus os trata como filhos. Pois, qual o filho que não é disciplinado por seu pai? Se vocês não são disciplinados, e a disciplina é para todos os filhos, então vocês não são filhos legítimos, mas sim ilegítimos." (Hebreus 12:7-8)

Quando as tempestades vêm em nossas vidas, algumas delas podem ser consideradas pedagógicas. Depois que Jonas desobedeceu a Deus e tentou fugir para outro lugar, uma grande tempestade surgiu, e Deus cuidou para que o relutante profeta voltasse para o seu caminho. Essa tempestade foi o resultado da própria desobediência de Jonas a Deus e um chamado em sua vida. 

Muitas vezes atraímos tempestades para nós mesmos quando fazemos coisas erradas. Em seguida, colhemos as consequências. Às vezes Deus nos permite colher o que semeamos para que, finalmente, Ele mude os nossos caminhos.

E quando nos desviamos e enfrentamos a disciplina de Deus, isso é um lembrete de que somos Seus filhos. Hebreus 12:7-8 nos diz: "Suportem as dificuldades, recebendo-as como disciplina; Deus os trata como filhos. Pois, qual o filho que não é disciplinado por seu pai? Se vocês não são disciplinados, e a disciplina é para todos os filhos, então vocês não são filhos legítimos, mas sim ilegítimos".

Davi escreveu: "[...] a tua vara e o teu cajado me protegem." (Salmo 23:4). O cajado é um instrumento longo e curvado que o pastor usa para puxar a ovelha rebelde de volta para a linha, mas a vara é um instrumento para bater. Às vezes o pastor usa a vara para quebrar a perna de uma ovelha, se necessário. Isso pode parecer drástico, mas é melhor ter uma perna quebrada do que se tornar um jantar de lobo. Se aquela ovelha se desviasse das demais, ela seria uma presa fácil. Então o pastor protege aquela ovelha rebelde e as demais que poderiam vir a segui-la no mal caminho.

Da mesma forma, quando estamos indo na direção errada, Deus nos disciplina. Essa é a finalidade das tempestades pedagógicas que enfrentamos em nossas vidas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário