segunda-feira, 12 de janeiro de 2015

A Igreja "Perturbadora"

"Contudo, não os achando, arrastaram Jasom e alguns outros irmãos para diante dos oficiais da cidade, gritando: 'Esses homens que têm causado alvoroço por todo o mundo, agora chegaram aqui, e Jasom os recebeu em sua casa. Todos eles estão agindo contra os decretos de César, dizendo que existe um outro rei, chamado Jesus'" (Atos 17:6-7)

Algumas pessoas acham que atualmente a coisa mais importante com a qual a igreja deve se preocupar é o aquecimento global. - Essa é a nossa prioridade, elas dizem. Mas há um outro tipo de aquecimento ao qual a igreja deveria se concentrar mais em preservar: as pessoas que passarão a eternidade separadas de Deus, no inferno.

A igreja do primeiro século impactou o mundo através da oração e da pregação. Dizia-se que a igreja primitiva causava grande alvoroço por todo o mundo. O que, aliás, foi dito como uma crítica, não como um elogio (veja Atos 17:6).

Que Deus nos permita receber mais "críticas" como essa, porque parece que hoje o oposto está acontecendo na igreja. Temos padrões duplos de compromisso moral e pouco ou nenhum poder. G. Campbell Morgan disse: "O cristianismo organizado, que não consegue causar uma perturbação, está morto."

O que me preocupa é que não estamos mais causando “perturbação”. Estamos tão preocupados com a aparência e com a conveniência. Estamos tão preocupados em ser agradáveis que nos esquecemos que devemos dar suporte ao que é verdadeiro. Meu medo é que, em vez da igreja causar grande alvoroço no mundo, o mundo cause grande alvoroço na igreja.

Vance Havner disse: "Não vamos mover este mundo pela crítica dele nem em conformidade com ele, mas pela combustão dentro dele de vidas inflamadas pelo Espírito de Deus." É por isso que temos de retornar para o que a igreja primitiva experimentou como nos foi dado no dia de Pentecostes, porque causou grande alvoroço em seu mundo. Nesse sentido, com o mundo às avessas, louco, onde o errado é certo e o certo é errado, temos que intervir e fazer o mesmo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário