sexta-feira, 29 de agosto de 2014

Deus Pode Usá-lo

"Pois os olhos do Senhor estão atentos sobre toda a terra para fortalecer aqueles que lhe dedicam totalmente o coração. [...]" (2 Crônicas 16:9)

Pense em todas aquelas pessoas comuns que Deus usou para transformar  completamente este mundo.

Pense naquele menino pastor, Davi, que Deus ergueu para ser o maior rei da história de Israel. Deus usou aquele homem assustado, Gideão, para liderar um grande exército, e ele acabou por se tornar um homem de coragem e bravura. 

Uma menina simples judia chamada Ester salvou seu povo da destruição, porque ela seguiu o caminho certo. Deus usou Débora para liderar os exércitos de Israel para a batalha, quando todos estavam com medo. 

Deus chamou dois pescadores comuns, Pedro e João, para pregar Sua Palavra com ousadia. 

Deus pode usar pessoas comuns como você e eu.
Como dizem as Escrituras: "Pois os olhos do Senhor estão atentos sobre toda a terra para fortalecer aqueles que lhe dedicam totalmente o coração" (2 Crônicas 16:9). 

Deus olha claramente para as pessoas comuns para transformar este mundo profundamente. Existe um lugar e um chamado para cada um de nós. Todos temos algo a fazer para o Senhor.

Deus pode fazer muito com pouco. Minha vida é uma prova disso! Assim como Deus me mudou, Ele pode mudar você também. Se você estiver com Jesus, Deus pode usá-lo de muitas formas diferentes.

quinta-feira, 28 de agosto de 2014

Coisas Ruins Acontecem a Pessoas Boas

"Jesus respondeu: 'Vocês pensam que esses galileus eram mais pecadores que todos os outros, por terem sofrido dessa maneira? Eu lhes digo que não! Mas se não se arrependerem, todos vocês também perecerão'." (Lucas 13:2-3)

A morte vem para todos. Jesus tinha ouvido falar de uns galileus que Pilatos matara em Jerusalém quando estavam fazendo sacrifícios no templo. O pensamento comum entre algumas pessoas naqueles dias era que essa tragédia era decorrente de um julgamento de Deus sobre aquelas vítimas.

Jesus respondeu perguntando: "Vocês pensam que esses galileus eram mais pecadores que todos os outros, por terem sofrido dessa maneira? Eu lhes digo que não! Mas se não se arrependerem, todos vocês também perecerão" (Lucas 13:2-3).

A questão que Jesus abordou era a noção equivocada de que esse evento trágico se abatera sobre tais pessoas porque eram terríveis pecadoras. Em essência, a resposta de Jesus foi: "Não, eles não são nada piores que vocês. As pessoas morrem. Vocês também são pecadores e um dia também vão morrer."

Como o pecado existe no mundo, as pessoas morrem. A morte vai um dia acontecer a todos. As pessoas boas morrem e as más também. Os velhos morrem e os jovens também. A morte é o grande nivelador de todos os seres humanos.
Link para o texto original

quarta-feira, 27 de agosto de 2014

Deus Age em Todas as Circunstâncias

"Sabemos que Deus age em todas as coisas para o bem daqueles que O amam, dos que foram chamados de acordo com o Seu propósito." (Romanos 8:28)

Deus, em Sua misericórdia, também pode valer-se das tragédias da vida. Ele pode tornar uma ação mais difícil e mesmo assim, trabalhar em cima dela. 

O apóstolo Paulo tocou neste ponto em Romanos 8:28: "Sabemos que Deus age em todas as coisas para o bem daqueles que o amam, dos que foram chamados de acordo com o seu propósito." Paulo inclui o que percebemos como "coisas boas", mas também as coisas ruins. 

É difícil para nós compreendermos como uma coisa ruim pode vir a cooperar em conjunto para o bem. Não há nada de bom sobre o que aconteceu com as 150 mil pessoas que morreram no sudeste asiático durante o tsunami de 2004. Foi tragicamente inacreditável. 

Mas Deus, em Sua infinita sabedoria e amor, de alguma forma, pega todos os acontecimentos da nossa vida, bons ou maus, e os mistura para o bem. Ele pretende sempre o bem. É assim. 

Após a tragédia, as organizações cristãs se mobilizaram para enviar ajuda e recursos para as pessoas que estavam sofrendo do sudeste da Ásia. As pessoas receberam ajuda física e espiritual necessárias. Naquela época e hoje, Deus sempre trabalha nas coisas para um fim proveitoso.

terça-feira, 26 de agosto de 2014

A História D'Ele

"Mas, quando chegou a plenitude do tempo, Deus enviou seu Filho, nascido de mulher, nascido debaixo da lei, a fim de redimir os que estavam sob a lei, para que recebêssemos a adoção de filhos." (Gálatas 4:4-5)

O  rei da Grécia Alexandre, o Grande, desejou dominar o mundo. Em somente 10 anos ele conquistou todo o mundo civilizado.

Enquanto unia todos os seus reinos, ele crescia preocupado com as várias línguas e culturas das pessoas que dominava. Alexandre resolveu seu dilema colonizando seus reinos. Em outras palavras, ele os trouxe para a cultura grega.

Mas Alexandre não percebeu que ele não estava construindo o reino para si mesmo; ele era, na verdade, apenas um peão no grande jogo de xadrez da vida. Ele era apenas um indivíduo que Deus estava movendo para cumprir Seus propósitos. 

Uma das maneiras que Alexandre colonizou seus reinos foi fazendo seus súditos aprenderem a língua grega. Desta forma, não importa onde ele fosse, ele poderia falar a língua local. Alexandre também construiu vastas rodovias e estradas ao longo de todas as suas províncias para que pudesse ter acesso a todas as partes do seu reino, em constante expansão.

No momento em que Alexandre morreu, aos 33 anos, ele tinha realmente concebido um mundo perfeito para pregar a Boa Nova de Jesus Cristo. As estradas pavimentadas eram ideais para os missionários do primeiro século levarem o evangelho ao mundo. E com a universalidade da língua grega, foi possível compartilhar o evangelho com pessoas de várias culturas, de várias terras. 

Sem que soubesse, Alexandre estabeleceu a linguagem e as estradas que fizeram com que a disseminação do evangelho de Jesus Cristo às massas fosse uma realidade.

O apóstolo Paulo disse: "quando chegou a plenitude do tempo, Deus enviou seu Filho [...]" (Gálatas 4:4). Deus usou a colonização do mundo de Alexandre para ajudar a inaugurar a plenitude do tempo. 

Perceba: as impressões digitais de Deus estão por toda a história. Alexandre não percebeu que a história é a história dEle. Deus está no controle de tudo.

segunda-feira, 25 de agosto de 2014

Anjos na Vida do Crente

"Os anjos não são, todos eles, espíritos ministradores enviados para servir aqueles que hão de herdar a salvação?" (Hebreus 1:14)

Deixe-me compartilhar com vocês a história real de um missionário chamado John Patton. Ele estava nas Ilhas Novas Hébridas (Polinésia) com sua esposa e filhos. Eles tinham um complexo missionário em uma pequena vila.

Certa noite, nativos hostis cercaram o posto missionário com a intenção de matar este missionário e sua família. Primeiro, eles iriam queimá-los e matá-los.

Naquela noite cheia de terror, Patton e sua esposa oraram para que Deus os livrasse daquele momento horrível. Ao amanhecer foram surpreendidos ao descobrir que os seus atacantes haviam ido embora.

Um ano mais tarde, o chefe da tribo que ia atacar Patton, tornou-se um cristão. Curioso sobre aquela noite horrível de um ano atrás, John Patton disse para o chefe: "Desculpe-me, mas você tem que me dizer o que aconteceu naquela noite. Você estava pronto para queimar-nos e matar-nos. Porque vocês foram embora?"

O chefe respondeu: "Bem, quem eram todos aqueles homens que estavam lá com você?"

Patton não sabia nada de homens que estariam com ele e respondeu: "Do que você está falando?"

"Bem, estávamos com medo de atacar porque vimos centenas de homens grandes com vestes resplandecentes e espadas em punho. Então voltamos."

Esse é um exemplo moderno da proteção angelical na vida de um cristão. A Bíblia ensina que os anjos sempre estiveram envolvidos na vida do povo de Deus e continuam envolvidos ainda hoje.

sexta-feira, 22 de agosto de 2014

A Necessidade do Evangelho

"Pois o que primeiramente lhes transmiti foi o que recebi: que Cristo morreu pelos nossos pecados, segundo as Escrituras" (1 Coríntios 15:3)

Algumas das pessoas mais difíceis de se alcançar são aquelas que estão satisfeitas com a vida. Essas pessoas não podem enxergar a sua verdadeira condição espiritual, porque têm tudo em ordem.

É por isso que é equivocado compartilharmos o evangelho apenas com os solitários, com as pessoas vazias, com os infelizes. Nem todo mundo é infeliz, vazio ou solitário o tempo todo.

As pessoas terão momentos de explosões de felicidade e suas vidas estarão indo bem. Então, se chegarmos e dissermos nesses momentos:
- "Jesus pode ajudá-lo a ser feliz", elas responderão: "Mas eu já estou feliz."
- "Mas, Jesus pode tirar o seu vazio." 
- "Eu não sinto qualquer vazio". 
- "Não sente?"
- "Não." 
- "Tudo bem, deixa pra lá então."

Espere aí! Há algo mais aqui em jogo do que simplesmente a mera felicidade.
Não quero dizer com isso que não existam pessoas infelizes, vazias e solitárias. Mas nem todas as pessoas estão insatisfeitas com as suas vidas.

Portanto, temos que ir além da mera mensagem de felicidade e atacar a necessidade mais profunda de todos os seres humanos: a necessidade do perdão dos pecados. Jesus não morreu na cruz para nos fazer felizes. Ele morreu para nos salvar do pecado e da morte. A necessidade de salvação e vida eterna é verdadeira para todas as pessoas, o tempo todo.

O que precisamos lembrar é que não há nenhuma pessoa, independente da fama ou do poder, que esteja imune à necessidade da mensagem do evangelho.

quinta-feira, 21 de agosto de 2014

Construindo Pontes

"[...] Uma coisa sei: eu era cego e agora vejo!" (João 9:25)

Poucos cristãos são grandes teólogos e nenhum de nós sabe todos os versículos da Bíblia de cor. Mas todos nós temos algum testemunho para dar. Todos nós temos para contar a história de como Cristo entrou em nossas vidas.

Podemos não ser especialistas, mas assim como falou o cego a quem Jesus curou, podemos todos também dizer: "Uma coisa eu sei: eu era cego e agora vejo!" (João 9:25).

Todo cristão pode dizer: "Eis o que Jesus fez por mim."
E sabe de uma coisa? O seu testemunho é uma ótima maneira de começar a apresentar Cristo para alguém.

O apóstolo Paulo (que foi um grande intelectual e um brilhante orador) muitas vezes começava com o seu testemunho pessoal, antes de apresentar o Evangelho para alguém. Por que Paulo começava com o seu testemunho? Ele construia assim uma ponte entre ele e as pessoas para as quais pregava.

Quando você compartilha a história de como chegou a Cristo, você está de uma certa forma dizendo: "eu estive onde você está. E deixe-me falar sobre a maneira que eu costumava pensar, a forma como eu costumava ser, como era a minha vida. Agora, deixe-me dizer-lhe sobre o que Cristo fez por mim."

Um testemunho ajuda as pessoas a entenderem que você não nasceu cristão. Ajuda a ver que há uma ponte, uma maneira pela qual se chega a Cristo.

Testemunhos provam que qualquer um pode mudar através do poder transformador de Jesus Cristo.

quarta-feira, 20 de agosto de 2014

O Objetivo de Um Testemunho

"Mas Deus demonstra seu amor por nós: Cristo morreu em nosso favor quando ainda éramos pecadores." (Romanos 5:8)

Quando você conta para outras pessoas o que Deus lhe fez, você está dando um testemunho. Testemunhar é compartilhar a história de como você chegou à fé. Todo cristão tem um testemunho para dar.

Alguns cristãos têm testemunhos dramáticos em que contam como foram libertados de uma vida de vício em drogas, ou de crimes, ou de algum outro comportamento sórdido. Outros não têm testemunhos tão dramáticos, mas são igualmente significativos.

Gosto de ouvir como as pessoas chegaram a Cristo, mas não gosto quando elas entram nos detalhes mais sujos de seu passado. Tampouco gosto dos testemunhos em que as pessoas contam tudo de que abriram mão por Jesus, comentando coisas tipo: "Larguei isto e aquilo por Jesus. Fiz tanto sacrifícios pelo Senhor. Fiz tudo isso por Ele!"

Testemunho não é falar daquilo que você abriu mão por Cristo. Mas sim, falar daquilo de que Ele abriu mão por você. Não compartilhe o que você fez por Jesus. Compartilhe o que Jesus fez por você. Jesus é quem fez o trabalho. É Jesus que proclamamos.

Testemunho bom e forte é o que põe em relevo o que Jesus realizou. A questão central é que todos nós éramos pecadores irremediavelmente separados de Deus, navegando no mesmo barco para o inferno; e um mesmo evangelho veio e nos salvou. Esse é o testemunho que todos nós temos que dar.

terça-feira, 19 de agosto de 2014

Tomando Posição

"Daniel, contudo, decidiu não se tornar impuro com a comida e com o vinho do rei, e pediu ao chefe dos oficiais permissão para se abster deles. E Deus fez com que o homem fosse bondoso para com Daniel e tivesse simpatia por ele." (Daniel 1:8-9)

Sob o domínio da Babilônia, Daniel desprezou os luxos da corte do rei porque comer alimentos impuros teria sido um ato contra a sua fé. Deus honrou a posição de Daniel e proporcionou-lhe ser muito respeitado por parte do chefe dos eunucos, pois a sua atitude o havia impressionado.

A vida de Daniel é a prova viva daquilo que a Bíblia menciona em Provérbios 16:7: "Quando os caminhos de um homem são agradáveis ao Senhor, ele faz que até os seus inimigos vivam em paz com ele."

É tão raro encontrar pessoas que acreditem em algo hoje em dia. Quando alguém diz: "Acredito que isso seja certo - e essa será a posição que tomarei" os descrentes quase sempre riem dele.

Mas eu acredito que, em muitos casos, bem lá no fundo, alguns descrentes fiquem impressionados. Eles não costumam ver esse tipo de coisa no mundo atual: alguém que realmente tenha convicções e creia firmemente em alguma coisa.

Eles podem argumentar com você, podem desafiá-lo; mas, na maioria dos casos, eles não discutem porque discordam. Eles discutem apenas para descobrir se você realmente acredita naquilo que diz acreditar.

Na verdade, eles querem desesperadamente ter um parâmetro moral para as suas vidas. Querem ter um conjunto de convicções, um conjunto de crenças - e não têm.

Então, as pessoas que podem causar-lhe sofrimento são aquelas que estão realmente buscando espiritualidade. São pessoas que realmente querem saber o sentido da vida.

Daniel comeu legumes e água, em vez dos luxos da mesa do rei. Ele abriu mão de algumas coisas, mas pouco com Deus é melhor do que muito sem Ele.

segunda-feira, 18 de agosto de 2014

Servo Sofredor

"Mas ele foi transpassado por causa das nossas transgressões, foi esmagado por causa de nossas iniquidades; o castigo que nos trouxe paz estava sobre ele, e pelas suas feridas fomos curados." (Isaías 53:5)

Alguém já disse que a ignorância é uma virtude. Em certos casos, acho que isso é mesmo verdade. Se eu tivesse a oportunidade de saber hoje todo o meu futuro, eu preferiria não saber.

Mas Jesus, sendo Deus, sabia tudo sobre Seu futuro. Quando Ele orou no Jardim do Getsêmani na véspera de Sua morte, Jesus sabia que morreria em uma cruz romana. Ele sabia da sua iminente humilhação, flagelação e angústia espiritual. A noite anterior à crucificação de Jesus foi um momento insuportável de sofrimento em Sua vida.

No Jardim do Getsêmani, podemos ver que a tristeza e o pesar de Cristo cumprem a profecia de Isaías, dizendo que o Servo Sofredor seria "um homem de tristeza e familiarizado com o sofrimento" (Isaías 53:3).

Jamais poderemos compreender a angústia que Jesus experimentou naquele momento. Mas lembre-se que Hebreus 4:15-16 nos diz: "Pois não temos um sumo sacerdote que não possa compadecer-se das nossas fraquezas, mas sim alguém que, como nós, passou por todo tipo de tentação, porém, sem pecado. Assim sendo, aproximemo-nos do trono da graça com toda a confiança, a fim de recebermos misericórdia e encontrarmos graça que nos ajude no momento da necessidade."

O autor de Hebreus está dizendo que você não está sozinho. Jesus sabe o que acontece em sua vida. Ele é o Sumo Sacerdote que experimentou os problemas que você está passando. Jesus passou por aquele tempo terrivelmente difícil, experimentando profunda solidão e abandono.

Então, lembre-se: na próxima vez que você estiver sofrendo, saiba que Jesus sabe pelo que você está passando. Ele é seu Sumo Sacerdote que está ao seu lado. E o mais importante: você pode aproximar-se d'Ele e receber ajuda.

sexta-feira, 15 de agosto de 2014

Mensagem Para Você

"'Por essa razão, o homem deixará pai e mãe e se unirá à sua mulher, e os dois se tornarão uma só carne'. Este é um mistério profundo; refiro-me, porém, a Cristo e à igreja. Portanto, cada um de vocês também ame a sua mulher como a si mesmo, e a mulher trate o marido com todo o respeito." (Efésios 5:31-33)

O problema com muitos casamentos cristãos hoje em dia é que tendemos a ler a correspondência do outro.

Seu cônjuge já leu seu e-mail? "O que é esta carta aqui?" Uma conta de alguma loja de departamento! Tenho certeza que você não gosta que pessoas leiam suas correspondências.

Bem, muitas vezes os maridos e esposas lêem a correspondência do outro a partir das Escrituras. O marido lê a mensagem da esposa e diz: "A Bíblia diz que você deveria se submeter a mim!" A mulher responde: "Bem, a Bíblia diz para me amares assim como Cristo ama a igreja!" Maridos e esposas, por que vocês não se concentram em fazer antes cada um a sua parte?

Marido, se você realmente ama sua esposa como Cristo amou a igreja, sua esposa, na maioria dos casos, acabará por ler a sua própria mensagem e seguirá a vontade de Deus. Ela irá se submeter, não porque você fala forte, mas porque você a ama e se sacrifica por ela.

A verdadeira liderança vem de sacrifício e amor. Para ela é muito importante quando o marido diz: "Eu me preocupo com você. Quero ajudá-la." Sua esposa vai respeitá-lo por isso.

Esposa, se você vai realmente se submeter ao seu marido como ao Senhor, ele irá, na maioria dos casos, amar-lhe até o ponto de sacrificar os seus próprios desejos pelos teus. Ele lhe exaltará, colocando-lhe antes dele mesmo. Colocando as suas necessidades antes das dele. Você terá um marido que a ama tanto quanto ama o seu próprio corpo (ver Efésios 5:28).

Se quisermos que os nossos casamentos não só sobrevivam mas também prosperem, devemos voltar ao projeto original de Deus. Devemos ler e obedecer a nossa própria mensagem, orar e deixar o resto para Deus.

quinta-feira, 14 de agosto de 2014

Maridos: Amem Suas Esposas

"Da mesma forma, os maridos devem amar as suas mulheres como a seus próprios corpos. Quem ama sua mulher, ama a si mesmo. Além do mais, ninguém jamais odiou o seu próprio corpo, antes o alimenta e dele cuida, como também Cristo faz com a igreja, pois somos membros do seu corpo." (Efésios 5:28-30)

Acredito que uma das principais razões pelas quais os casamentos têm fracassado com tanta frequência seja porque os maridos não têm cumprido seus deveres bíblicos para com as suas esposas.

O apóstolo Paulo resume a responsabilidade de um marido para a sua esposa em quatro palavras: "Maridos, amem suas mulheres" (Efésios 5:25).

Maridos, se nos concentrarmos em amar as nossas esposas como Cristo amou a igreja, Deus vai transformar os nossos casamentos. Como resultado, Ele vai transformar as nossas famílias, as nossas igrejas e até mesmo o nosso país.

A degradação da família é o motivo de nosso país estar no estado em que está. Alguém já disse que uma família pode sobreviver sem uma nação, mas uma nação não pode sobreviver sem a família.

Hoje temos crianças sendo criadas sem valores e sem consciência porque as suas famílias estão fracas. Precisamos da família para fortalecê-las novamente.

A transformação da família e, em seguida, do nosso país depende de vocês, maridos. Vocês não podem resolver todos os problemas do Brasil, mas podem começar fazendo o que Deus lhes chamou para fazer. Amem as suas mulheres e deixem os demais relacionamentos terrenos para segundo plano.

quarta-feira, 13 de agosto de 2014

Para Um Casamento Prosperar

"Do mesmo modo vocês, maridos, sejam sábios no convívio com suas mulheres e tratem-nas com honra, como parte mais frágil e co-herdeiras do dom da graça da vida, de forma que não sejam interrompidas as suas orações." (1 Pedro 3:7)

Tudo no relacionamento conjugal está interligado. Se o seu casamento não está saudável, então o seu relacionamento com Deus irá sofrer.

O apóstolo Pedro diz aos maridos para serem sábios no convívio com suas esposas (ver 1 Pedro 3:7). "Ser sábio no convívio" significa que os maridos devem estar alinhados com suas esposas em pensamentos, objetivos, planos e esforços.

Em essência, Pedro diz aos maridos que, se não tratarem as suas esposas com entendimento, suas orações serão interrompidas (ver versículo 7).

Este é o mesmo princípio que Jesus deu quando disse: "Portanto, se você estiver apresentando sua oferta diante do altar e ali se lembrar de que seu irmão tem algo contra você, deixe sua oferta ali, diante do altar, e vá primeiro reconciliar-se com seu irmão; depois volte e apresente sua oferta." (Mateus 5:23-24).

A nossa comunhão uns com os outros é tão importante para Deus que Ele não aceitará nossa adoração se conscientemente deixarmos de buscar reconciliação com um irmão ou irmã.

Uma boa regra é nunca ir dormir zangado um com o outro. De alguma forma, você precisa encontrar uma maneira de fazer as pazes. Certa vez eu ouvi de um casal que decidiu colocar em prática as Escrituras: "Apaziguem a sua ira antes que o sol se ponha" (Efésios 4:26). Por trinta anos de casamento eles praticaram este princípio. Alguém então perguntou-lhes: "E como foi que funcionou?" O marido respondeu: "Bem, foi um pouco difícil ficar sentado a noite toda."
Acho que eles não entenderam direito o versículo...

A moral da história é que o seu relacionamento com Deus e com o seu cônjuge irá prosperar - e não apenas sobreviver - se vocês fizerem as pazes e não deixarem o Sol se pôr enquanto vocês ainda estiverem zangados um com o outro.

terça-feira, 12 de agosto de 2014

Segredos da Felicidade Conjugal

"Por essa razão, o homem deixará pai e mãe e se unirá à sua mulher, e eles se tornarão uma só carne." (Gênesis 2:24)

Quando perguntaram a Henry Ford, em seu quinquagésimo aniversário de casamento, qual era o segredo da felicidade e longevidade conjugal, ele respondeu: "O mesmo do ramo de automóveis: fique num só modelo".

O conselho matrimonial do Sr. Ford está fundamentado no princípio bíblico de "deixar e unir". Gênesis 2:24 explica que se começa um casamento deixando outras pessoas. Deixar é o ato que altera todos os demais relacionamentos da sua vida. Você ainda honra pai e mãe e mantém laços com os amigos, mas nenhum relacionamento na vida pode estar à frente do seu relacionamento com seu cônjuge.

O que acontece em muitos casamentos é que esse processo de deixar nunca acontece. Se você é mais próximo de outra pessoa do que de seu cônjuge, precisa fazer uma mudança. O compromisso integral do marido deve ser com a sua mulher e o da mulher deve ser com o seu marido.

A Bíblia nos diz para unir-nos a nossos cônjuges (ver o fim do versículo 24). A palavra "unir" significa "tornar um", juntar duas coisas para formar uma única. Noutra palavras, o marido e a mulher se tornam um só. Não apenas isso: devem tornar-se os melhores amigos.

É bom ter outros amigos. Maridos: tenham alguns caras como camaradas. Mulheres: tenham amigas com as quais possam passar algum tempo. Mas só pode haver um(a) melhor amigo(a) em sua vida - e tem de ser o seu esposo ou esposa.

Henry Ford tinha razão, o segredo de um casamento amoroso é ficar num só modelo - e isso começa com deixar e unir.

segunda-feira, 11 de agosto de 2014

Como Fortalecer o Seu Casamento

“Por essa razão, o homem deixará pai e mãe e se unirá à sua mulher, e os dois se tornarão uma só carne? Assim, eles já não são dois, mas sim uma só carne. Portanto, o que Deus uniu, ninguém o separe" (Mateus, 19:5-6)

Às vezes ouvimos o comentário: "Eles têm um casamento divino". A implicação de uma declaração como esta é apenas que alguns casamentos funcionam e outros não.

Pois saiba que bons casamentos prosperam por causa do esforço de ambos os parceiros. E, casamentos ruins existem somente por causa da negligência de ambos os parceiros.

Você quer ter um bom casamento? Construa-o. Você quer ter um casamento ruim? Negligencie-o.

Há duas coisas que podemos fazer para fortalecer o nosso casamento. Em primeiro lugar, obedecer à Palavra de Deus. A Palavra de Deus deve ser o padrão para os nossos casamentos. Se assim for, estamos no caminho certo. Se não, enfrentaremos problemas adiante.

Em segundo lugar, precisamos deixar de lado o conceito distorcido e perverso deste mundo acerca do casamento. Precisamos tirar esse tipo de pensamento de nossas mentes. Precisamos riscar a palavra divórcio do nosso vocabulário. O divórcio não pode ser uma possibilidade sempre presente.

Precisamos ultrapassar todo tipo de dificuldades, não importa como. Fizemos um compromisso. Vamos permanecer firmes em nossos casamentos, custe o que custar.
Esse é o tipo de determinação que precisamos ter.

Como Winston Churchill disse durante a Segunda Guerra Mundial: "A vitória não é conquistada através da fuga." O mesmo acontece com o casamento. É um compromisso a ser mantido até que a morte nos separe.

sexta-feira, 8 de agosto de 2014

Devemos Lembrar

"E, tendo dado graças, partiu-o e disse: 'Isto é o meu corpo, que é dado em favor de vocês; façam isto em memória de mim'. Da mesma forma, depois da ceia ele tomou o cálice e disse: 'Este cálice é a nova aliança no meu sangue; façam isto, sempre que o beberem, em memória de mim'. Porque, sempre que comerem deste pão e beberem deste cálice, vocês anunciam a morte do Senhor até que ele venha."  (1 Coríntios 11:24-26)

Quando observamos a Comunhão que Paulo descreve em 1 Coríntios 11:23-30, na mesa da última ceia, há três coisas que devemos lembrar:

Primeiro, devemos olhar para trás. Participamos da comunhão em memória de Cristo (versículo 24). Além do significado de comunhão em si, ela também fala de intimidade e amizade. Então olhamos para trás. Olhamos para a cruz. Lembramos o que Cristo fez por nós. E somos lembrados do Seu amor por nós.

Segundo, devemos olhar para frente. As Escrituras dizem para fazermos isso "até que ele venha" (versículo 26). A primeira vez que Jesus veio à terra, veio como o servo sofredor. Da próxima vez ele virá como Rei. A Comunhão também nos lembra que Jesus virá novamente.

Terceiro, devemos olhar para nós mesmos. Devemos pedir ao Espírito Santo que nos mostre as áreas das nossas vidas que não agradam a Deus (versículo 28). Quando conhecemos essas áreas, nos arrependemos dos pecados produzidos por elas. Não fazer isso e ainda fazer parte da Comunhão é o mesmo que beber veneno ao invés do vinho. É beber para sua própria condenação, sem discernir o corpo do Senhor (versículo 29).

Então venha à mesa da Comunhão com alegria. Venha com reverência, venha com honestidade.

Se há alguma coisa em sua vida que não está certa, é hora de corrigir isso. A Comunhão é o momento ideal de fazer-se um compromisso (ou renová-lo) com Jesus Cristo.

quinta-feira, 7 de agosto de 2014

A Ceia do Senhor

¨Portanto, todo aquele que comer o pão ou beber o cálice do Senhor indignamente será culpado de pecar contra o corpo e o sangue do Senhor. Examine-se o homem a si mesmo, e então coma do pão e beba do cálice.¨ (1 Coríntios 11:27-28)

Mateus 26 contém um dos eventos mais conhecidos da história da humanidade e, certamente, a mais famosa refeição já realizada, a Última Ceia.

Com os discípulos sentados juntos, Jesus disse: "Tomem e comam; isto é o meu corpo" (verso 26). Ele, então, deu graças e ofereceu-lhes o cálice e disse: "Bebam dele todos vocês. Isto é o meu sangue da aliança, que é derramado em favor de muitos, para perdão de pecados" (versículos 27-28).

Jesus, como sempre fazia, estava falando simbolicamente. Dizer que Ele aqui falava literalmente não se encaixa com as figuras de linguagem que Ele frequentemente usava. Afinal, Jesus disse que Ele era o pão da vida, mas também disse que Ele era a porta.

Assim, não dá para conceber que Cristo seja um pedaço de pão de fato ou uma porta. É óbvio que não. Também não dá para conceber que o pão e o conteúdo do copo sejam realmente o corpo e o sangue de Cristo. Não há nenhuma evidência de um processo sobrenatural que transforme o conteúdo do copo em sangue de Jesus e o pão em sua carne. Portanto, ao participarmos da comunhão, não devemos mistificar excessivamente o que ela representa. Não devemos pensar no pão como carne e o cálice como contendo sangue.

Por outro lado, não podemos menosprezar  a Comunhão como se ela  não significasse nada. As Escrituras claramente nos advertem a respeito de participar da comunhão sem reconhecer o seu significado real (veja 1 Coríntios 11:23-30).

O pão e o fruto da videira não são elementos sagrados em si mesmos, mas representam algo que é sim muito sagrado. Por isso, é com grande respeito e reverência que devemos chegar à mesa da comunhão, reconhecendo nela o símbolo daquilo que Jesus Cristo fez por nós na cruz.

quarta-feira, 6 de agosto de 2014

O Cordeiro de Deus

¨O sangue será um sinal para indicar as casas em que vocês estiverem; quando eu vir o sangue, passarei adiante. A praga de destruição não os atingirá quando eu ferir o Egito.¨ (Êxodo 12:13)

É interessante notar que quando Deus instituiu a ordenança da Páscoa em Êxodo 12:3, Ele disse aos israelitas para pegar UM cordeiro. No versículo seguinte Ele lhes diz para tomar O cordeiro. E então, finalmente, no versículo cinco, Ele lhes diz para tomar o SEU cordeiro.

Quando você parar e pensar sobre isso, verá que há uma progressão nesta passagem da Escritura de como uma pessoa vê Jesus. Em primeiro lugar, Jesus é um cordeiro. Depois, Ele é o cordeiro. Então, por fim, Ele é o seu cordeiro.

Vir a Cristo começa com o nosso reconhecimento de que Ele é uma espécie de figura religiosa com algum tipo de mensagem significativa. Não temos certeza. Podemos ter um respeito geral por Ele, mas é de longe. Ele simplesmente é um cordeiro.

Então, Jesus passa a ser o cordeiro. Chega um momento do crescimento espiritual em nossas vidas, que passamos a reconhecer que Jesus é o único entre todos os outros da história. Ele é mais do que um profeta, mais do que um mestre. Ele é realmente o Filho de Deus, divindade em forma humana. Ele se torna o "Cordeiro de Deus", como João Batista disse, "que tira o pecado do mundo!" (João 1:29).

Mas, é necessário que avancemos um passo além, para que Ele se torne então o nosso cordeiro. Nós O recebemos como nosso Salvador e como nosso Senhor.

Há muitas pessoas que reconhecem que Jesus é Deus. Reconhecem que Ele está nos céus. Mas elas ainda não adotaram Jesus como o seu Salvador pessoal.

Não basta saber que Cristo morreu. É necessário saber que Ele morreu por todos os nossos pecados. Então nos arrependermos de nossos pecados e, finalmente, recebe-Lo como o Senhor absoluto de todas as coisas e áreas de nossa vida. Somente então Jesus passa a ser o nosso cordeiro.

terça-feira, 5 de agosto de 2014

Um Ato Sincero

"Eu lhes asseguro que onde quer que este evangelho for anunciado, em todo o mundo, também o que ela fez será contado, em sua memória." (Mateus 26:13)

Quando se lê o Novo Testamento, não se pode deixar de notar como ele fala pouco sobre os principais acontecimentos da história mundial. Seria de se esperar que as Escrituras mencionassem Roma e todas as suas poderosas conquistas, mas não é isso o que acontece.

Em vez disso, Deus traz detalhes que são totalmente diferentes.

Em Mateus 26, por exemplo, encontramos uma história única que Deus quer que jamais nos esqueçamos (ver versículo 13). Foi o sacrifício incrível que uma mulher fez para Jesus. O que foi que ela fez que impressionou tanto ao Senhor? Foi um milagre ou algum grande ensinamento? Não. Foi um ato sincero.

Na casa de um homem chamado Simão, essa mulher tomou um frasco de perfume caro e ungiu Jesus com ele. Por que isso foi tão importante? Suas ações são memoráveis ​​porque ela parecia reconhecer que Jesus precisava ser ungido para o Seu sepultamento (ver versículo 12). Assim, como um ato de entrega completo, ela deu-lhe tudo o que tinha.

O Evangelho de Marcos nos diz que o seu perfume custava mais de 300 denários (Marcos 14.5). Naquele tempo, 300 denários era o equivalente ao salário de quase um ano de um trabalhador.

Mas não era o presente que importava. Era o seu coração por trás do presente. Foram os seus motivos que tocaram Jesus, pois Ele sabia que ela sacrificou quase tudo por Ele.

Você tem feito tudo o que pode pelo Senhor? Algumas pessoas, como muitos dos obedientes fariseus, só dão o necessário. Elas tentam obedecer ao nível mínimo exigido. E todos nós, sem perceber e das mais variadas maneiras podemos fazer o mesmo.

Neste momento, você não gostaria de se comprometer em servir ao Senhor além daquilo que lhe é exigido, como fez aquela mulher?

segunda-feira, 4 de agosto de 2014

Antídoto Para o Desvio

"Todos nós, tal qual ovelhas, nos desviamos, cada um de nós se voltou para o seu próprio caminho; e o Senhor fez cair sobre ele a iniquidade de todos nós." (Isaías 53:6)

O rei Davi se destaca como o principal exemplo de alguém que perdeu o primeiro amor. Lembramo-nos dele, com razão, como um homem procurando o coração de Deus, mas também como assassino e adúltero.

Podemos fazer a pergunta: como é que alguém conhecido por sua devoção a Deus pode cair tão terrivelmente? Quais os passos que levaram-no à sua derrocada?

Os passos de Davi na perda de seu primeiro amor foram sutis, mas bem reais. Quando Davi se assentou em seu terraço observando Bate-Seba tomar banho naquela noite fatídica, não estava andando com o Senhor como andara antes.

Anteriormente nos salmos se lê como Davi tinha uma grande devoção e amor por Deus. Mas nesse ponto em particular de sua vida, não lemos que ele adorasse a Deus ou Lhe cantasse canções de amor. Davi estava espiritualmente ocioso.

A Bíblia diz que "na época em que os reis saíam para a guerra" (2 Samuel 11:1) o rei Davi estava sentado em seu terraço. Estava acomodado com suas conquistas antigas.

Quando você para de progredir espiritualmente, logo se torna um trem prestes a descarrilar. Devemos reconhecer que no fundo de nossas naturezas temos a tendência natural de nos desviar.

Não é à toa que Deus nos compara a ovelhas desviadas. É a nossa tendência natural. Então as primeiras obras de que Jesus fala em Apocalipse 2:5 é exatamente o que vai contrabalançar o nosso desvio. As obras que praticávamos no princípio existem como antídoto para nosso espírito errante. É uma paixão que nos mantém comprometidos em nosso relacionamento com Deus.

Se você fizer de Deus o seu primeiro amor, todo o resto ficará em adequado equilíbrio.

sexta-feira, 1 de agosto de 2014

Com Cada Parte do Seu Ser

"Amarás, pois, ao Senhor teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todo o teu entendimento, e de todas as tuas forças; este é o primeiro mandamento." (Marcos 12:30)

Acho interessante que Jesus disse: "Amarás o Senhor teu Deus com todo o teu coração, de toda a tua alma, com todo o teu entendimento, e de todas as tuas forças [...]." (Marcos 12:30).

Essa declaração revela que Deus não está simplesmente à procura de algum tipo de amor meloso. Ele está à procura do verdadeiro e completo amor.

Algumas pessoas amam o Senhor só com toda a sua alma ou só com toda a sua emoção, mas não O amam com todo o seu entendimento. Outras pessoas amam a Deus só com todo o seu entendimento, mas negligenciam o intenso e emocional jeito de amar o Senhor.

Jesus está dizendo: "Eu quero um amor que possua a espinha dorsal: emoção, intelecto e físico." Jesus deseja um amor que revire todas as entranhas do seu ser - por dentro e por fora. Qualquer outro tipo de amor não é o amor total.

Por exemplo: digamos que você tenha um grande físico, com bíceps avantajados, peitorais salientes e “barriga tanquinho". Você está em grande forma física simplesmente porque esculpiu seu corpo dia após dia na academia.

Mas quanto importa todo esse músculo se você tiver uma doença cardíaca? Você pode aparentar estar ótimo por fora, mas se o seu coração está doente, seu físico não vai servir pra nada.

Da mesma forma, se você frequenta a igreja, lê regularmente a Bíblia e ora frequentemente, mas o seu coração está doente espiritualmente pela falta de amor a Deus, você se encontra numa situação parecida.

Através da vida, morte e ressurreição de Jesus Cristo, Deus manifestou o Seu amor por nós com cada parte do Seu ser. O mínimo que podemos fazer é amá-lo de volta com todo o nosso coração, com toda a nossa alma, com todo o nosso entendimento e com toda a nossa força.