segunda-feira, 31 de março de 2014

A Chave Para a Santidade

"Que diremos então? Continuaremos pecando para que a graça aumente? De maneira nenhuma! Nós, os que morremos para o pecado, como podemos continuar vivendo nele?" (Romanos 6:1-2)

Infelizmente, há muitos crentes hoje em dia que vivem com a ideia errada de que precisam fazer algo para ganhar a aprovação de Deus.

Quando agem bem durante a semana, leem a Bíblia ou praticam boas obras, acham que Deus vai ficar satisfeito. Mas quando tem uma semana difícil, caem em tentação e pecam, acham que Deus não ficará satisfeito com eles.

Às vezes, acreditam até mesmo que não devem ir à igreja ou ler a Bíblia. "Por que se preocupar?" eles pensam. "Deus não está mesmo satisfeito comigo. Não tenho a sua atenção. Seria hipocrisia fazer isso."

Durante todo o tempo, eles não percebem que gozam do cuidado e do amor incondicional de Deus, independentemente do que fazem. E isto não significa uma licença para pecar. É apenas um incentivo para responder a Ele em amor.

Se, como crentes, podemos realmente nos apossar deste significado, sem que isso se torne uma licença para viver como quisermos; mas sim, um incentivo para servir ao Senhor e amá-Lo, então devemos mostrar gratidão para Aquele que nos ama incondicionalmente, do jeito como somos.
A compreensão dessa verdade pode revolucionar as nossas vidas.

No entender de algumas pessoas, viver de forma santificada é respeitar as regras - e isto lhes trará a salvação. Mas, viver na santidade (o que não somos capazes sequer de começar a fazer) não trará salvação. É a salvação que produzirá vida santa.
Se você realmente está salvo, isto resultará na mudança do seu estilo de vida.

sexta-feira, 28 de março de 2014

O Problema do Orgulho

"Se afirmarmos que estamos sem pecado, enganamo-nos a nós mesmos, e a verdade não está em nós." (1 João 1:8)

Tive que rir quando ouvi contarem a história de dois sujeitos que foram um dia até C. H. Spurgeon, o grande pregador britânico, e lhe disseram: "Spurgeon, nós alcançamos perfeição impecável".

"É mesmo?", ele perguntou.

"Sim", disseram eles. "Somos absolutamente perfeitos".

Spurgeon estava com uma jarra d'água na mão naquela hora e derramou-a na cabeça deles. Quando eles começaram a reagir tal como qualquer outro pecador, ele viu quão perfeitos eles eram.

Veja, as pessoas que andam por aí dizendo que alcançaram perfeição impecável são vítimas de um dos pecados mais poderosos e também mais sutis: o orgulho. Nenhum de nós alcançará perfeição impecável. Pelo menos, não nesta vida.

É claro que antes de sermos cristãos, estávamos sob o controle e o poder do pecado. Seguíamos tudo que nossa natureza pecaminosa mandasse.

Mas algo dramático aconteceu quando recebemos a Cristo. Fomos transformados. A Bíblia diz que nos tornamos novas criações em Cristo. Todas as coisas velhas passaram e todas se fizeram novas (ver 2 Coríntios 5:17).

Isso não quer dizer que não lutamos mais contra o pecado e contra a tentação. As Escrituras claramente ensinam que pecaremos e que teremos nossos lapsos.

Embora a Bíblia me diga que vou pecar, há diferença entre pecar e arrepender-se e pecar habitualmente, persistentemente, continuamente. Se alguém diz que é cristão e continua em pecado, minha pergunta é: será que essa pessoa se converteu de verdade?

Algumas pessoas se perguntam se um cristão assim pode perder a salvação. Eu sugiro outra pergunta a fazer: será que tal pessoa, antes de tudo, chegou a experimentar realmente a salvação?

quinta-feira, 27 de março de 2014

Procuram-se Novos Crentes

"[...] E o Senhor lhes acrescentava todos os dias os que iam sendo salvos." (Atos 2:47)

Adoro novos crentes. Eles são a alma da igreja. Quando tenho o privilégio de falar a outros pastores, digo-lhes que, se eles não têm um fluxo constante de novos crentes entrando em suas congregações, eles se tornarão espiritualmente mortos. Podemos evangelizar ou fossilizar.

Mostre-me uma igreja onde não surgem novos crentes e eu lhe mostrarei uma igreja estagnada. Mostre-me uma igreja onde regularmente novos crentes aparecem e eu lhe mostrarei uma igreja que tem vibração e vida.

Dito isto, os novos crentes precisam de crentes mais velhos para estabilizá-los. Os corações novos dos crentes estão cheios de zelo, mas eles não entendem as regras do jogo ainda. Eles precisam de crentes mais velhos para ensiná-los.

Crentes mais velhos também precisam de novos crentes. Eles precisam de seu zelo. Eles precisam de sua paixão. Eles precisam de sua emoção para lembrá-los do que têm esquecido.

Infelizmente, de modo geral são os novos crentes que querem fazer muito enquanto sabem tão pouco. Quando pedimos às pessoas para ajudar com alguma coisa em nossa igreja, muitas vezes temos novos crentes que vêm e dizem que querem ajudar: "Vou fazer tudo o que você pedir e gostaria de inscrever-me para seis ministérios.”

Ficamos muito agradecidos pela vontade de servir, mas queremos que eles tenham antes de tudo uma boa base para que possam ser devidamente treinados e equipados para fazer o que Deus os chamou a fazer.

Por outro lado, há crentes mais velhos que conhecem o Senhor há anos, talvez até há décadas, mas que não pensam em ajudar a igreja. São exatamente o oposto.

quarta-feira, 26 de março de 2014

Foi na Cruz

"Mas graças a Deus, que nos dá a vitória por meio de nosso Senhor Jesus Cristo." (1 Coríntios 15:57)

Certa vez ouvi falar de um homem que estava tentando criar a sua própria religião, mas não ia lá muito bem. Ele decidiu então abordar o estadista francês, Charles-Maurice de Talleyrand, e perguntar-lhe o que deveria fazer para ganhar adeptos. O estadista disse-lhe: "Eu recomendo que você se crucifique, morra e ressucite ao terceiro dia."
A morte de Jesus na cruz e ressurreição no terceiro dia é a pedra angular da fé cristã. É o que separa a nossa fé como cristãos da fé de todos os demais.

Muitos vêem a crucificação de Cristo como uma interrupção brusca do que por outro lado era um bem-sucedido ministério. Mas a cruz estava na vanguarda da mente de Jesus Cristo desde o início. Este é o lugar aonde Ele sabia que estava indo e sobre o qual falou muitas vezes.

A Bíblia nos diz ainda que mesmo antes dEle vir a esta terra, foi tomada a decisão de que Ele acabaria indo para a cruz. Em Apocalipse 13:8 diz "[...] o Cordeiro que foi morto desde a criação do mundo."

Foi na cruz que as justas exigências de Deus foram satisfeitas. Foi na cruz que Deus e os homens foram reconciliados mais uma vez. Foi na cruz que um golpe decisivo foi dado contra Satanás e seus anjos caídos. Foi na cruz que a nossa própria salvação foi comprada.

terça-feira, 25 de março de 2014

Nunca Olhe Para Trás

"[...] mas uma coisa faço: esquecendo-me das coisas que ficaram para trás e avançando para as que estão adiante, prossigo para o alvo [...]" (Filipenses 3:13-14)

Se você deseja cumprir a corrida da vida com sucesso, não olhe para trás. Se você já participou de uma corrida e olhou por cima do seu ombro para ver o que seu adversário estava fazendo, você sabe que olhar para trás pode quebrar seu ritmo e lhe fazer perder a corrida.

Paulo, no mesmo sentido, diz em Filipenses 3:13 "[...] esquecendo-me das coisas que ficaram para trás [...]". Se você estiver caminhando com o Senhor, você deve esquecer as coisas que ficaram para trás. Neste contexto, a palavra "esquecer" não significa tanto uma falha de memória ou esquecer completamente. Tem mais o sentido de não ser influenciado ou afetado pelo passado.

Portanto, aqui está o que você precisa fazer: esqueça as coisas que ficaram para trás. Ao mesmo tempo que você pode não ser capaz de apagá-las de sua memória, você precisa não deixar que elas lhe influenciem.

Às vezes a gente desenterra coisas que Deus perdoou e esqueceu. O Senhor diz: "[...] não me lembrarei mais dos seus pecados" (Jeremias 31:34). No entanto, muitas vezes vamos trazer pecados passados, esquecendo-se do fato de que o nosso Deus tem uma grande borracha. Se Deus perdoou os meus pecados e se esqueceu deles, eu preciso deixá-los para trás, aprender com meus erros, não fazer a mesma coisa novamente e seguir em frente.
Por que lembrar daquilo que Deus escolheu esquecer?

segunda-feira, 24 de março de 2014

Quando Duvidamos

"Agora, pois, vemos apenas um reflexo obscuro, como em espelho; mas, então, veremos face a face [...]" (1 Coríntios 13:12)

Oswald Chambers certa vez falou: "A dúvida não é sempre um sinal de que alguém está errado. Pode ser um sinal de que a pessoa está pensando".

Há uma diferença grande entre dúvida e falta de fé. Dúvida é uma questão da mente. Falta de fé é uma questão do coração. Dúvida é quando não entendemos o que Deus está fazendo e por quê Ele está fazendo. Falta de fé é quando recusamos crer na Palavra de Deus e no que Ele nos diz para fazer. Não podemos confundir as duas coisas.

Lembram-se dos discípulos desencorajados no caminho para Emaús? Para eles, Jesus tinha falhado em Sua missão e sido crucificado. Jesus então se juntou a eles na estrada e começou a falar com eles. No final: "Perguntaram-se um ao outro: 'Não estavam ardendo os nossos corações dentro de nós, enquanto ele nos falava no caminho e nos expunha as Escrituras?'" (Lucas 24:32)

Deus lidou com a dúvida deles através de Sua palavra e Deus também irá lidar com a nossa dúvida com a sua palavra. Quando você está com dúvida, essa não é a hora de fechar a Bíblia. É hora de abrí-la e deixar Deus falar com você.

Talvez você esteja com dúvidas acerca da forma como Deus tem agido em sua vida. Ou esteja se perguntando recentemente muitos "por quês?" Talvez o tempo de Deus para você não faça nenhum sentido.

A Bíblia diz: "[...] Agora conheço em parte; então, conhecerei plenamente, da mesma forma como sou plenamente conhecido." (1 Coríntios 13:12).

Tudo será resolvido no última dia, quando estivermos à frente de Deus.
Deus não nos pede que entendamos tudo. Ele nos pede somente para crermos e confiarmos n'Ele.

sexta-feira, 21 de março de 2014

De Dentro Para Fora

"Assim são vocês: por fora parecem justos ao povo, mas por dentro estão cheios de hipocrisia e maldade." (Mateus 23:28)

As pessoas fazem mudanças em suas vidas por muitas razões. Muitas vezes, isto acontece quando enfrentam uma crise na vida. Pode ser um ataque cardíaco ou a perda de um cônjuge por morte ou divórcio. Pode ser ainda alguma outra crise que as atinja e as façam avaliar as suas prioridades e a fazerem um balanço de suas vidas. Ou seja: elas são obrigadas a fazer escolhas.

Mas, muitas vezes, as mesmas pessoas que prometem mudar acabam voltando para os seus velhos hábitos. As vezes ouvimos que celebridades frequentaram centros de reabilitação para drogados e fizeram grandes mudanças. Elas contam suas histórias na televisão e nos livros. Mas, então, alguns meses depois, retornam aos velhos hábitos. Por que? Porque fizeram mudanças morais em suas vidas, mas não atacaram a raiz do problema: a ausência de Deus em suas vidas.

Jesus advertiu aos fariseus: "Limpe primeiro o interior do copo e do prato, para que o exterior também fique limpo" (Mateus 23:26). Jesus estava lhes dizendo que eles estavam perdendo o foco quando se concentravam apenas no exterior. Eles deveriam primeiro cuidar do interior.

O mandado claro dado à igreja dos lábios do próprio Jesus foi o de ir-se a este mundo e pregar-se o evangelho, porque quando as pessoas realmente O encontram, Ele vai mudar seus estilos de vida. Se, como crentes, permitimos que outras coisas nos desvirtuem deste chamado, também estamos perdendo o foco. Como Jesus disse: "Primeiro, lave o interior, [...] e depois o exterior se tornará limpo também."
É aí que devemos concentrar os nossos esforços.

quinta-feira, 20 de março de 2014

Obstáculos na Corrida

"Vocês corriam bem. Quem os impediu de continuar obedecendo à verdade?" (Gálatas 5:7

A Bíblia conta a história de um grande patriarca, Abraão, que foi chamado pelo Senhor a deixar sua terra natal e sua família. Deus ia levá-lo a uma terra aonde ele nunca tinha ido.

Abraão queria levar junto todo mundo, só que muitos dos membros de sua família eram descrentes. Prejudicavam Abraão espiritualmente.

Dentre eles o mais notório era o sobrinho, Ló. Deus mandou que Abraão se separasse de Ló, mas ele levou um tempo até obedecer. Enquanto Ló ficou por perto, a bênção de Deus não esteve sobre Abraão do modo como poderia estar.

Enfim, Abraão obedeceu ao Senhor e ele e Ló se afastaram. A bênção de Deus voltou novamente a estar sobre Abraão.

Percorrendo sua corrida como cristão, pode ser que você se veja atrapalhado por alguém. Há na sua vida alguém como Ló que está atrasando você? Depois de passar um tempo com certas pessoas, você se sente espiritualmente seco? Talvez já tenha até pensado: "Essa pessoa faz o que eu tenho de pior aparecer. Não me ajuda em nada."

Embora queiramos pregar a pessoas e alcançá-las com o evangelho, devemos ter o cuidado de não fazermos isso às custas de nossas vidas espirituais. Pode ser que haja alguém atrasando você na corrida da vida.

Alguém lhe prejudica espiritualmente? Alguém lhe impede de fazer o que Deus lhe chamou a fazer? Você precisa perguntar-se: "Essa pessoa é bônus ou ônus? Ela me acelera ou me atrasa?"

A corrida não se corre só na direção do que é certo. Também se corre para longe do que é errado.

quarta-feira, 19 de março de 2014

A Provisão Divina

"Mas agora que vocês foram libertados do pecado e se tornaram escravos de Deus, o fruto que colhem leva à santidade, e o seu fim é a vida eterna." (Romanos 6:22)

Você está feliz com a maneira como vive hoje? Há coisas em sua vida que você gostaria de mudar drasticamente?

Como a maioria das pessoas, talvez você tome decisões importantes sempre que um novo ano começa. Talvez você faça planos sobre o que deseja mudar para o ano novo. Mas não demora muito e tudo volta a ser como antes.

Da mesma forma, como cristãos, muitas vezes somos derrotados no dia-a-dia por não percebermos quantos recursos Deus coloca a nossa disposição em nossa conta espiritual. Muitas vezes dizemos: "Deus, ajude-me. Deus, dê-me isso. Deus, dê-me aquilo." Enquanto isso, Deus está dizendo: "Será que você poderia verificar a sua conta? Tenho depositado mais do que você poderia usar. Pegue o quanto quiser."

Você consegue imaginar um soldado lutando numa batalha sem munição, sentado sobre um depósito cheio de milhares e milhares de cartuchos, mais do que ele poderia usar em mil guerras? Ele tem mais do que precisa bem abaixo de si, mas tenta lutar a batalha sem esses recursos que tem.

A derrota em nossa batalha contra o pecado e a tentação originam-se em grande parte de nossa ignorância sobre os fatos. Em Jesus Cristo há poder para viver uma nova vida e já não estar sob o controle do pecado. Esse poder não está na imitação, porque você pode imitar a Jesus o quanto quiser e tentar ser como Ele, sem obter poder algum. O poder vem de viver n'Ele.
Deus tem feito muito por você e cabe somente a você ​​apropriar-se dessa provisão.

terça-feira, 18 de março de 2014

Prosseguindo para o Alvo

"Prossigo para o alvo, a fim de ganhar o prêmio do chamado celestial de Deus em Cristo Jesus." (Filipenses 3:14)

A palavra "prosseguir" usada em Filipenses 3:14 traz em seu significado o sentido de "grande esforço." Cada músculo do corredor está queimando. Ele já pode ver a fita. Ele tem apenas mais alguns metros de corrida a sua frente. Ele deve prosseguir.

É o mesmo em nossas vidas como cristãos. Há momentos em que as coisas ficam difíceis. Mas é aí então que aprendemos o que significa andar pela fé e não pelo sentimento. Como cristão, você não pode viver com seu lado emocional exacerbado. Pelo menos não o tempo todo. Você deve manter o ritmo nesta maratona que está correndo. Você não deve esperar que cada vez que vai à igreja, terá algum grande encontro emocional com Deus. Às vezes você vai, outras vezes não. Crescer e aprender a andar pela fé fazem parte do processo de amadurecimento espiritual.

Quando você assumiu um compromisso com Cristo, descobriu a alegria e a paz maravilhosa por ser perdoado. Mas é preciso aprender que esta é uma caminhada pela fé. Você deve prosseguir, mesmo quando as coisas ficam difíceis.

Talvez, por já estar correndo há algum tempo, você se encontre num lugar em que esteja carregando fardos, pecados ou outras coisas. Ou, quem sabe, você ache que nem compreende mais por que está correndo. Talvez até, tenha perdido a coragem.

Olhe para cima e lembre-se que é por Jesus que você está correndo. Há mais de dois mil anos atrás, Ele te amou tanto que foi para a cruz e lá morreu. Ele derramou o Seu sangue por você. Então, ressuscitou dentre os mortos. Porque Ele fez isso por você é que você pode viver hoje para Ele.
Ele lhe dará a força necessária.

segunda-feira, 17 de março de 2014

Uma Obra em Andamento

"Ele fez tudo apropriado a seu tempo. Também pôs no coração do homem o anseio pela eternidade; mesmo assim este não consegue compreender inteiramente o que Deus fez." (Eclesiastes 3:11)

Sou um artista. Gosto de desenhar e projetar. Às vezes, enquanto estou rabiscando, alguém vem, dá uma olhada, e não vê nada além de uma forma sem sentido. Só vê o que é visível até aquele momento. No entanto, eu ainda não terminei. Estou trabalhando.

-"O que isso vai ser?" me perguntam.

-"Espere um pouco".

-"Acho que você deveria fazer desta maneira..."

- "Deixe que eu faça", respondo. "Por que você não me deixa sozinho até que eu termine, e depois terei prazer em lhe mostrar."

Todo artista gosta de expor o seu trabalho. Mas quando estou trabalhando em minha arte, sei que é um trabalho em andamento. Quando termino, fico feliz em mostrá-lo aos outros.

Você também é um trabalho em andamento. Deus está fazendo uma obra em sua vida. Quando isso for feito, Ele vai te mostrar. Se isso ainda não estiver pronto, seja paciente. Deus vê o fim desde o começo. Não podemos ver o que é, mas Deus pode. É importante lembrar disto.

Como Deus disse à nação exilada de Israel: "'Porque sou eu que conheço os planos que tenho para vocês', diz o Senhor, 'planos de fazê-los prosperar e não de lhes causar dano, planos de dar-lhes esperança e um futuro'" (Jeremias 29:11).

Para Israel, isso significava que eles estariam na Babilônia por um tempo, mas no final, Deus iria tirá-los de lá. Para nós, o que isso significa especificamente no nosso dia-a-dia, o tempo dirá. Seja o que for, é bom, porque Deus está no controle.

sexta-feira, 14 de março de 2014

A Opção Correta

"Simão Pedro respondeu: 'Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo'." (Mateus 16:16)

Olhando as páginas da história, é interessante ler as declarações que têm sido feitas a respeito de Cristo.

Pôncio Pilatos disse: "Não acho culpa nele." Napoleão disse: "Eu conheço os homens, e Jesus não era um mero homem." Strauss, o racionalista alemão, disse: "Jesus foi o maior modelo da religião.” O Ateu francês, Renan, disse: "Ele foi o maior entre os filhos dos homens." Theodore Parker disse: "Jesus Cristo era um jovem com Deus em seu coração." Robert Owen disse: "Ele é o único irrepreensível."

No entanto, todos esses títulos e descrições ficaram aquém de identificar Jesus por quem Ele realmente era: o Filho de Deus, Deus em forma humana, o Messias.

Muitos hoje descreveriam Jesus como um grande professor de moral, mas em seu livro "Cristianismo Puro e Simples", C. S. Lewis responde a essa afirmação, dizendo que se fosse esse o caso, Jesus seria ou um lunático ou um demônio. Ele continua dizendo: "Não vamos vir com algum disparate sobre Ele ser um grande mestre humano. Ele não deixou esta abertura para nós. Ele não tinha essa intenção".

Não temos a opção de dizer que Jesus foi um grande mestre da moral. Como Ele poderia ser apenas um professor e dizer as coisas que disse com suas afirmações exclusivas sobre a divindade? E o que dizer quando Ele disse que era o único caminho para Deus, o Pai? Certamente, isso seria muito errado se não fosse verdade.

Então Jesus realmente nos deixa apenas duas opções: ou aceitá-lo, acreditando que Ele é realmente o Filho de Deus, ou rejeitá-lo. Mas, dizer simplesmente que Ele era um grande homem ou um homem religioso não é uma opção possível.

quinta-feira, 13 de março de 2014

Uma Despedida Divina

"Mas, quando chegou a plenitude do tempo, Deus enviou seu Filho, nascido de mulher, nascido debaixo da lei, a fim de redimir os que estavam sob a lei, para que recebêssemos a adoção de filhos." (Gálatas 4:4-5)

Quando pensamos no Natal, pensamos na chegada de Jesus: "Porque um Menino nos nasceu, um Filho nos foi dado [...]" (Isaías 9:6). Na verdade, foi também uma partida. Para nós, um Menino nasceu. Para Deus Pai, um Filho foi dado.

No céu, havia chegado a hora da partida do Filho de Deus. Temos até um registro de Suas palavras de despedida para o Pai. Ele disse: "[...] 'Sacrifício e oferta não quiseste, mas um corpo me preparaste; de holocaustos e ofertas pelo pecado não te agradaste.' Então eu disse: 'Aqui estou, no livro está escrito a meu respeito; vim para fazer a tua vontade, ó Deus'" (Hebreus 10:5-7).

Jesus literalmente foi de um trono no céu para uma manjedoura. Passou da presença de anjos para um estábulo de animais. Ele que era maior que o universo tornou-se um embrião. As Escrituras resumem bem: "sendo rico, se fez pobre por amor de vocês" (2 Coríntios 8:9).

Ninguém nunca afetou - nem remotamente - a história como Jesus. Ele sofreu oposição, censura, exílio e crítica de cada geração desde que nasceu; e ainda assim, a Sua influência persiste sem ser mitigada.

Nunca houve ninguém como Jesus, pois Jesus não era apenas um bom homem. Era o homem-Deus que veio e andou nesta terra. E isso é o que devíamos celebrar todos os dias.
Link para o texto original

quarta-feira, 12 de março de 2014

Não Há Presente Maior

"Toda boa dádiva e todo dom perfeito vêm do alto, descendo do Pai das luzes, que não muda como sombras inconstantes." (Tiago 1:17)

Alguns dos dons mais preciosos as vezes não atraem muito a nossa atenção. Damos uma rápida olhada e não vemos nada de importante. Mas se voltarmos e olharmos novamente, começamos a descobrir a glória e a maravilha daquele dom.

Assim foi com o bebê indefeso na manjedoura. Ele era o Filho unigênito de Deus. As palavras não podem descrevê-lo, como Paulo escreveu em 2 Coríntios 9:15: "Graças a Deus pelo seu dom inefável!".

Mesmo Deus não poderia dar um presente maior do que Ele nos deu. Ele deu o Seu Filho amado. Ele deu o único que estava com Ele por toda a eternidade e o enviou ao mundo.

Nosso Senhor mesmo falou de uma grande demonstração de sacrifício em Sua parábola sobre o proprietário da vinha, que tinha empregados inúteis, os quais tomavam conta de sua propriedade. Enviou os seus representantes e empregados para a vinha. Um após o outro foram maltratados, e até mesmo mortos.

Em seguida, o proprietário pensou: "Se eu enviar o meu filho, eles não vão maltratá-lo. Certamente eles vão respeitá-lo. Não há nada além disso. Este é o último ato."

Hebreus 1:1 diz que Deus falou muitas vezes e de várias maneiras para o mundo e para a nação de Israel. Deus deu ao mundo muitos homens e mulheres proeminentes, mas todos eles foram ultrapassados pelo maior presente que poderia haver: o próprio Filho de Deus.

Isto é o que deve preencher com espanto as nossas mentes e corações: Deus fez algo por nós que nem mesmo Ele pode exceder. Ele deu seu único Filho, o Seu Filho eterno, e O enviou ao mundo.

terça-feira, 11 de março de 2014

Deus Conosco

"Ela dará à luz um filho, e você deverá dar-lhe o nome de Jesus, porque ele salvará o seu povo dos seus pecados." (Mateus 1:21)

Quando o anjo do Senhor apareceu a José em um sonho, ele não estava somente dizendo que Maria não era infiel (como José pensou), mas que ela era a virgem citada pelo profeta Isaías: "Por isso o Senhor mesmo lhes dará um sinal: a virgem ficará grávida e dará à luz um filho, e o chamará Emanuel" (Isaías 7:14).

A profecia, revelada 750 anos antes, seria cumprida em Maria. A criança que ela iria carregar era Emanuel: Deus conosco.

Imagine o quanto isso deve ter sido impressionante para José. Na verdade, é muito impressionante para nós também. É realmente a essência do Cristianismo.

Se você pegar a fé Cristã e comparar com todas as outras visões religiosas do mundo, essa seria a clara distinção: Cristianismo é "Deus conosco".

O Cristianismo não requer que tentemos de alguma forma ganhar a aprovação de Deus. A fé Cristã ensina que é Deus conosco, vivendo dentro de nós, ajudando-nos a ser as pessoas que Ele quer que sejamos. O Cristianismo diz que nunca mais estaremos sozinhos.

Jesus demonstrou esse mesmo pensamento quando disse: "[...] e eu estarei sempre com vocês, até o fim dos tempos" (Mateus 28:20). Em  Hebreus 13:5 Deus diz: "[...] Nunca o deixarei, nunca o abandonarei".

Talvez você precise receber esse lembrete agora. Talvez você esteja se sentindo sozinho. Deus está com você. Talvez alguém próximo o tenha enganado ou o desapontado.
Lembre-se disso: Deus está com você.
Link para o texto original

segunda-feira, 10 de março de 2014

Quando Louvar a Deus é Um Sacrifício

"Por meio de Jesus, portanto, ofereçamos continuamente a Deus um sacrifício de louvor, que é fruto de lábios que confessam o seu nome." (Hebreus13:15)

Falando francamente, há momentos em que louvar a Deus se torna um sacrifício, porque nós realmente não queremos. Há momentos em que estamos para baixo ou deprimidos, ou momentos em que as coisas não vão muito bem. Realmente não sentimos vontade de louvar ao Senhor.

Contudo, a Bíblia está repleta de admoestações para se dar glória, louvor e gratidão a Deus. O Salmo 106:1 diz: "Aleluia! Deem graças ao Senhor porque Ele é bom; o seu amor dura para sempre."

Observe que a Bíblia não diz: "Deem graças ao Senhor, quando vocês estiverem se sentindo bem." Em vez disso, ela diz: "Deem graças ao Senhor, porque Ele é bom." Eu não louvo a Deus porque tenho vontade. Eu louvo a Deus porque Ele é digno, independentemente de como eu esteja me sentindo.

Louvor pode ser um sacrifício às vezes. Descobri que quando, por obediência, eu começo a louvar ao Senhor, a emoção na hora começa a se ligar ao meu ato de obediência. A questão é que eu devo fazer isso porque Deus assim me diz.

No Evangelho de Lucas, encontramos a história de dez homens que foram milagrosamente tocados por Jesus. Pelo fato de terem lepra, estes homens estavam postos à margem da sociedade. No entanto, Jesus também se colocou à margem da sociedade para ir ao encontro deles, para tocá-los e curá-los dessa terrível doença. Apenas um, um samaritano, voltou e deu graças e louvores a Deus.

Jesus então fez uma pergunta provocativa: "Não se achou nenhum que voltasse e desse louvor a Deus, a não ser este estrangeiro?" (Lucas 17:18).
De diferentes maneiras, acho que Ele ainda faz esta pergunta hoje.

sexta-feira, 7 de março de 2014

Carregando a Cruz

"Então ele chamou a multidão e os discípulos e disse: 'Se alguém quiser acompanhar-me, negue-se a si mesmo, tome a sua cruz e siga-me.'" (Marcos 8:34)

Às vezes, dizemos: "Todos temos uma cruz para carregar. Minha cruz é o meu supervisor no trabalho", ou "Minha cruz é este problema de saúde", ou "Minha cruz é esse parente." Mas, talvez tenhamos perdido o real significado da cruz. Se você tivesse vivido no primeiro século em Jerusalém e visse alguém cercado por guardas romanos e carregando uma cruz na rua, não teria dúvida alguma sobre para onde essa pessoa estaria indo. Você saberia que ela estava prestes a ser levada para fora da cidade, colocada na cruz e crucificada.

Alguém carregando uma cruz era alguém que estava prestes a morrer. Assim, quando Jesus disse: "Se alguém quiser acompanhar-me, negue-se a si mesmo, tome a sua cruz e siga-me", Seus discípulos entenderam o que Ele quis dizer. Tomar a cruz fala de morrer para nós mesmos e querer a vontade de Deus mais do que a nossa própria vontade. Isso não significa que sua vida estará arruinada quando você decidir andar com Deus.

Isso significa que agora você vai ter vida e vida em abundância como Jesus prometeu, porque você quer a vontade de Deus mais do que a sua própria vontade. Jesus disse: "Pois quem quiser salvar a sua vida, a perderá, mas quem perder a vida por minha causa e pelo evangelho, a salvará" (Marcos 8:35).

Você está tomando a cruz e seguindo Jesus? Levar a cruz vai afetar e influenciar todos os aspectos da sua vida. O resultado será a vida como ela foi feita para ser vivida: na perfeita vontade de Deus.

quinta-feira, 6 de março de 2014

A Lição de Maria

"No sexto mês Deus enviou o anjo Gabriel a Nazaré, cidade da Galiléia, a uma virgem prometida em casamento a certo homem chamado José, descendente de Davi. O nome da virgem era Maria." (Lucas 1:26-27)

Para nós é muito difícil entender 2.000 anos depois, a importância da aparição do anjo Gabriel à Maria em Nazaré. Afinal, ele poderia ter encontrado a futura mãe do Messias em Roma, a capital da maior potência do mundo na época. Ele poderia tê-la encontrado em Atenas, o centro cultural do mundo, ou em Jerusalém, o centro espiritual do mundo. Mas Deus escolheu Nazaré, uma cidade obscura, extremamente perversa e famosa por seus pecados. Ao ouvir que Jesus era de lá, Natanael disse: "Nazaré? Pode vir alguma coisa boa de lá? " (João 1:46).

O que é surpreendente sobre Maria é que ela viveu uma vida de acordo com a vontade de Deus num lugar sem Deus. E fez isso sendo uma adolescente muito jovem. Estudiosos acreditam que ela tinha entre 12 e 14 anos quando recebeu a notícia do anjo Gabriel.

Ali estava ela, uma ninguém, vivendo em uma cidade pequena no meio do nada, justamente o tipo de pessoa que Deus chama à Sua maneira. Ele escolheu uma garota desconhecida em uma cidade relativamente desconhecida para trazer o evento mais conhecido da história da humanidade, um evento tão significativo que dividiu a história da humanidade em antes e depois dele.

Talvez você esteja tentando viver a sua fé hoje num lugar sem Deus, no trabalho, na escola ou entre familiares descrentes. E você se pergunta se isto é possível. Sim, é.

Maria permanece como um exemplo para nós, provando que é possível viver uma vida com Deus num mundo cheio de pecado.

quarta-feira, 5 de março de 2014

Ingratidão

"[...] tendo conhecido a Deus, não o glorificaram como Deus, nem lhe renderam graças, mas os seus pensamentos tornaram-se fúteis e os seus corações insensatos se obscureceram." (Romanos 1:21)

Um homem que estava consertando uma telha solta no telhado perdeu o apoio dos pés e começou a escorregar. Estando a uma altura de três andares, apavorou-se com a ideia de morrer na queda. Começou a gritar: "Deus, me ajude! Estou caindo! Deus, faça alguma coisa!"

Quando ele estava chegando à beira do telhado, um dos passadores do cinto enroscou-se num prego e deteve o escorregão, a tempo o bastante de o homem recuperar o apoio. Então ele gritou: "Deus, já está tudo bem! Um prego me segurou!"

Às vezes somos assim. Clamamos por Deus, Ele atende as nossas orações e então dizemos: "Tá tudo bem, Deus... já deu tudo certo". Mas já paramos para pensar que Deus pode ter agido por meio de certas circunstâncias para vir em nosso socorro?

A questão é: precisamos zelar tanto pelo agradecimento a Deus por aquilo que Ele fez, quanto pelos pedidos que Lhe fazemos quando estamos em necessidade.

Ouvi falar de um capelão de hospital que mantinha uma lista de cerca de 2.000 pacientes que havia visitado e que pareciam estar morrendo, mas que mostravam sinais de arrependimento. Dentre aqueles que recuperaram a saúde, ele encontrou somente dois que apresentaram uma mudança perceptível em suas vidas espirituais depois da recuperação. Noutras palavras: enquanto pensavam que iam morrer, aquelas pessoas se arrependeram; mas, depois que se recuperaram, esqueceram de Deus.

O que você acha de uma pessoa que vivesse lhe pedindo coisas ou favores, mas que jamais lhe fizesse qualquer tipo de agradecimento?
Às vezes somos assim com Deus, não é mesmo?
Vamos pois, lembrar mais de agradecer-Lhe.

terça-feira, 4 de março de 2014

O Fiel Seguidor

"Mas aquele que me negar diante dos homens, eu também o negarei diante do meu Pai que está nos céus." (Mateus 10:33)

Perto do fim da vida, o apóstolo Paulo escreveu ao jovem pastor Timóteo: "Combati o bom combate, terminei a corrida, guardei a fé" (2 Timóteo 4:7). Depois de algumas linhas, ele referiu-se a um homem chamado Demas, que lhe abandonara tendo amado o mundo presente, partindo para Tessalônica (2 Timóteo 4:10).

Quando ficou difícil para Demas, ele desistiu. Ele não quis ser um seguidor de Jesus. Talvez por medo que isso significasse sofrer perseguição.

Jesus falou sobre o mesmo dilema na Parábola do Semeador, na qual Ele comparou a Palavra de Deus entrando nos corações dos homens e mulheres a um agricultor que lança a semente. Jesus explicou: "Quanto ao que foi semeado em terreno pedregoso, este é aquele que ouve a palavra e logo a recebe com alegria. Todavia, visto que não tem raiz em si mesmo, permanece por pouco tempo. Quando surge alguma tribulação ou perseguição por causa da palavra, logo a abandona." (Mateus 13:20-21).

Há alguns que abandonam a sua fé cristã quando aparecem problemas ou perseguições. Eles desistem. Eles negam o Senhor.

Uma maneira das pessoas fazerem isso é simplesmente dizendo: "Eu não O conheço." Mas outra forma é não confessando a sua fé em Jesus Cristo, ou não falando d'Ele quando a oportunidade surge. Será que as pessoas sabem que você é um cristão? Seus colegas de trabalho sabem disso? Os membros da sua família sabem que você é um seguidor de Jesus Cristo? Você tem falado por Ele?
Espero que sim.

segunda-feira, 3 de março de 2014

Faça a Escolha Certa

"Hoje invoco os céus e a terra como testemunhas contra vocês, de que coloquei diante de vocês a vida e a morte, a bênção e a maldição. Agora escolham a vida, para que vocês e os seus filhos vivam" (Deuteronômio 30:19)

Quando me tornei Cristão decidi que, de alguma forma, eu iria encontrar uma maneira de viver em dois mundos ao mesmo tempo. Eu planejava sair e fazer festas com meus antigos amigos e ser Cristão ao mesmo tempo. Por um período, eu me achava meio em cima do muro, pois não me sentia confortável com meus antigos amigos e nem com meus novos amigos Cristãos.

Então decidi virar "o cara" Cristão. Eu falava pros meus amigos: "Não se preocupem comigo. Vocês pensam que vou virar um fanático que anda por aí carregando uma Bíblia dizendo: 'Louvem ao Senhor!'. Isso nunca irá acontecer. Vou ficar bem sossegado quanto a isso. Não irei envergonhá-los, mas agora vou passar a acreditar em Deus".

Porém, à medida que Deus foi se tornando mais real para mim e eu passei a segui-Lo mais de perto, Ele mudou minha a vida e as minhas perspectivas - e, as minhas prioridades também começaram a mudar.

Há pessoas que vão lhe desencorajar a crescer espiritualmente, dizendo: "Acho legal você ser um Cristão. Eu também vou à igreja... no Natal, na Páscoa, em casamentos... mas você está começando a virar um fanático! Você chegou a trazer a Bíblia pro trabalho um dia desses. Ficamos tão envergonhados... você não é mais a mesma pessoa que costumava ser. Fico feliz que você tenha feito mudanças em sua vida, mas não seja tão radical".
São coisas desse tipo que lhe serão ditas  para lhe desencorajar.

Quando isso acontecer, você tem a chance de escolher entre aquilo que Deus quer que você faça e aquilo que o mundo quer que você faça. Você deixará as pessoas lhe atrapalharem? Você vai permitir que as pessoas o desencorajem  a ficar com o coração totalmente comprometido com Jesus Cristo?
Link para o texto original