segunda-feira, 1 de dezembro de 2014

O Sacrifício Final

"Ele mesmo levou em seu corpo os nossos pecados sobre o madeiro, a fim de que morrêssemos para os pecados e vivêssemos para a justiça. [...]" (1 Pedro 2:24)

Eu não gosto de fazer limpezas pra valer. Em vez disso, prefiro colocar algo sobre a sujeira para que eu não tenha que olhar para ela. Essa é uma das minhas maneiras de limpar as coisas.

Em contraste, quando minha esposa Cathe limpa, ela realmente limpa. Acho que ela realmente gosta deste processo, o que é um grande mistério para mim. Eu gosto de coisas limpas, mas não gosto do processo de limpeza.

No Antigo Testamento, Deus estabeleceu que os pecados dos indivíduos seriam simbolicamente transferidos para um animal que deveria morrer em seu lugar (veja Levítico 1:8). Este sacrifício expiatório era necessário para satisfazer as justas exigências de um Deus santo e justo.

No Antigo Testamento, a palavra expiação pode ser traduzida como "uma cobertura" ou "algo para encobrir alguma coisa."

Embora esta expiação tenha provido "uma cobertura", ela não chega à raiz do problema. Mas a morte de Jesus Cristo na cruz sim. Seu sacrifício expiatório lavou e eliminou todos os nossos pecados.

Jesus foi o cumprimento de tudo o que o Antigo Testamento apontava. Ele se tornou o sacrifício final. Jesus foi "o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo" (João 1:29).

Quando Jesus pronunciou as palavras "está consumado", elas também poderiam ser traduzidas como "está feito o final" ou "está pago" ou "está realizado" ou "tudo está cumprido".

Foi feito o final de que? Dos nossos pecados e da culpa que os acompanha. O que foi pago? O preço da nossa redenção. O que foi realizado? Os preceitos da lei. O que foi cumprido? A obra que o Pai Lhe dera para fazer.

Nenhum comentário:

Postar um comentário