quarta-feira, 5 de março de 2014

Ingratidão

"[...] tendo conhecido a Deus, não o glorificaram como Deus, nem lhe renderam graças, mas os seus pensamentos tornaram-se fúteis e os seus corações insensatos se obscureceram." (Romanos 1:21)

Um homem que estava consertando uma telha solta no telhado perdeu o apoio dos pés e começou a escorregar. Estando a uma altura de três andares, apavorou-se com a ideia de morrer na queda. Começou a gritar: "Deus, me ajude! Estou caindo! Deus, faça alguma coisa!"

Quando ele estava chegando à beira do telhado, um dos passadores do cinto enroscou-se num prego e deteve o escorregão, a tempo o bastante de o homem recuperar o apoio. Então ele gritou: "Deus, já está tudo bem! Um prego me segurou!"

Às vezes somos assim. Clamamos por Deus, Ele atende as nossas orações e então dizemos: "Tá tudo bem, Deus... já deu tudo certo". Mas já paramos para pensar que Deus pode ter agido por meio de certas circunstâncias para vir em nosso socorro?

A questão é: precisamos zelar tanto pelo agradecimento a Deus por aquilo que Ele fez, quanto pelos pedidos que Lhe fazemos quando estamos em necessidade.

Ouvi falar de um capelão de hospital que mantinha uma lista de cerca de 2.000 pacientes que havia visitado e que pareciam estar morrendo, mas que mostravam sinais de arrependimento. Dentre aqueles que recuperaram a saúde, ele encontrou somente dois que apresentaram uma mudança perceptível em suas vidas espirituais depois da recuperação. Noutras palavras: enquanto pensavam que iam morrer, aquelas pessoas se arrependeram; mas, depois que se recuperaram, esqueceram de Deus.

O que você acha de uma pessoa que vivesse lhe pedindo coisas ou favores, mas que jamais lhe fizesse qualquer tipo de agradecimento?
Às vezes somos assim com Deus, não é mesmo?
Vamos pois, lembrar mais de agradecer-Lhe.

Nenhum comentário:

Postar um comentário