segunda-feira, 21 de outubro de 2013

Condenar Não, Discernir Sim

"Pois, como haveria eu de julgar os de fora da igreja? Não devem vocês julgar os que estão dentro? Deus julgará os de fora. 'Expulsem esse perverso do meio de vocês'" (1 Coríntios 5:12-13)

Não julgueis, para que não sejais julgados... Todos já ouvimos isso. Está na Bíblia, em Mateus 7:1, a passagem onde Jesus disse: "Não julguem, para que vocês não sejam julgados."

Mas vamos entender essas palavras contextualmente. A melhor tradução dessa declaração seria: "não condeneis, para que não sejais condenados." Em outras palavras: Deus é o juiz final. Ele decide quem entra no céu e quem não entra. Eu não decido isso, tampouco você. Ninguém decide isso. Não temos autoridade para condenar.

"Já lhes disse por carta que vocês não devem associar-se com pessoas imorais. Com isso não me refiro aos imorais deste mundo, nem aos avarentos, aos ladrões ou aos idólatras. Se assim fosse, vocês precisariam sair deste mundo. Mas agora estou lhes escrevendo que não devem associar-se com qualquer que, dizendo-se irmão, seja imoral, avarento, idólatra, caluniador, alcoólatra ou ladrão. Com tais pessoas vocês nem devem comer. Pois, como haveria eu de julgar os de fora da igreja? Não devem vocês julgar os que estão dentro?" (1 Coríntios 5:9-12)

Paulo estava dizendo que é nosso dever sim, julgar os que estão dentro da igreja. Mas muitos crentes ignoram isso, dizendo: -"Ah, não. Apenas ame."
Essas pessoas não sabem realmente o que é o amor, pois quem ama, comumente entra em conflito.

Devido ao cultivo de um “sentimento amoroso” para com todos, acabamos nem percebendo o que essa palavra significa na sua amplitude. Perdemos o nosso discernimento de defender o que é certo.
Devemos fazê-lo em amor, com compaixão, preocupação e humildade. Mas, sempre que necessário, devemos nos levantar em defesa daquilo que a Palavra de Deus ensina.

Nenhum comentário:

Postar um comentário