sexta-feira, 18 de maio de 2012

Os Perigos da Língua

"Quem vive contando casos não guarda segredo; por isso, evite quem fala demais." (Provérbios 20:19)

Entre as muitas maneiras que podemos usar nossas palavras para ferir os outros, três delas são: calúnias, fofocas, e bajulação.

A palavra usada para "caluniar" em hebraico significa "bancar o espião." Refere-se a alguém que recolhe pistas e pedaços de informações sobre o caráter de uma pessoa e em seguida relaciona as informações para quem quiser ouvir.

A fofoca é mais sutil, porque pode se disfarçar em linguagem "aceitável". As pessoas vão dizer: "Você já ouviu falar...?" ou "Eu pessoalmente não acredito que é verdade, mas ouvi que..." ou um dos meus favoritos: "Eu não costumo comentar isso, mas sei que não vai demorar até que todo mundo fique sabendo, só não conte pra ninguém." Claro, nós cristãos gostamos de envolver a fofoca em linguagem espiritual: "Eu preciso te contar uma coisa sobre Fulano de Tal para que você possa orar por ele..." Mas quantas vezes nós realmente oramos por esses motivos?

O uso indevido mais sutil da língua está na bajulação. Bajulação é apenas uma mentira extravagante. É quando você diz algo que não é verdade para ganhar um favor, a atenção, ou a aprovação de uma pessoa. Você não quer dizer de fato o que disse sobre ela.

Uma boa definição de fofoca e bajulação é esta: Fofoca é dizer pelas costas o que você nunca diria pela frente. Bajulação é dizer pela frente aquilo que você nunca diria pelas costas.

É por isso que Tiago nos diz: "Todos tropeçamos de muitas maneiras. Se alguém não tropeça no falar, tal homem é perfeito, sendo também capaz de dominar todo o seu corpo." (Tiago 3:2). Essa é uma marca da verdadeira espiritualidade.

Um comentário: