terça-feira, 13 de março de 2012

Pai Nosso

“[...] o Senhor é Deus em cima nos céus e embaixo na terra. Não há nenhum outro” (Deuteronômio 4:39)

A oração que chamamos de Pai Nosso começa com a simples frase: “Pai nosso que estás nos Céus.” É difícil  entendermos quão significativa e radical era uma afirmação como esta para a mentalidade de um homem comum nos dias de Jesus.

Veja bem: as pessoas religiosas daquele tempo tinham uma reverência e um temor tão grande por Deus que nem prenunciavam o Seu nome. Quando Jesus diz “Vocês, orem assim: ‘Pai nosso, que estás nos céus! Santificado seja o teu nome'” (Mateus 6:9), isso deve ter sido encarado como uma blasfêmia.

Mas algo significativo estava acontecendo. Jesus estabelecia uma nova aliança. Ela seria completa por Sua morte na cruz e por Sua ressurreição. Antes da chegada de Cristo, as pessoas de Deus, para chegar e Ele, tinham que passar pelo sumo sacerdote. Ele era seu representante, seu intercessor, quem ia diante de Deus uma vez ao ano no Dia da Expiação (ou Dia do Perdão) e oferecia um sacrifício animal. Lá, ele colocava, simbolicamente, os pecados da nação em um animal, um bode expiatório.

Os Israelitas não poderiam simplesmente ir à presença de Deus e ter acesso ilimitado a Ele. Eles não podiam conhecer Ele de uma forma pessoal e íntima, como é possível hoje. Mas depois que Jesus reapareceu e Maria Madalena o reconheceu, Ele disse: "[...] Vá, porém, a meus irmãos e diga-lhes: Estou voltando para meu Pai e Pai de vocês, para meu Deus e Deus de vocês" (João 20:17).

Os Israelitas não podiam simplesmente ir à presença de Deus e ter acesso ilimitado a Ele. Eles não sabiam que Jesus abrira uma nova forma de nos aproximarmos de Deus. Agora podemos orar a Deus como o Pai Nosso.

Nenhum comentário:

Postar um comentário