quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

Adorar e Confessar

"Atribuam ao Senhor a glória que o seu nome merece; adorem o Senhor no esplendor do seu santuário" (Salmos 29:2)

Frequentemente, em seus salmos, Davi começa com um reconhecimento da grandeza de Deus. Também para nós, acho que é importante olhar para os atributos de Deus, considerar sua onipotência, Seu poder ilimitado; considerar Sua onisciência, Seu conhecimento ilimitado; e considerar Sua onipresença, o fato de que Ele está presente em todos os lugares. Devemos reservar tempo para pensar sobre essas coisas, para contemplá-las, e para deixar nossos pensamentos em ordem antes de oferecer uma palavra de petição ao nosso Pai.

Isso nos leva à confissão. Quanto mais nos aproximamos de Deus, mais percebemos nossa própria condição de pecadores. Quando gastamos tempo na presença de Deus, tornamo-nos conscientes de nossas deficiências. O Espírito Santo de Deus nunca nos convence do pecado para nos separar, mas sim para nos atrair junto a Ele. A Bíblia diz: "Se confessarmos os nossos pecados, Ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injustiça" (1 João 1:9).

Confessar significa dizer: "Senhor, eu concordo com você. Pequei. Lamento. Mostre-me o que está errado." Devemos querer enxergar todas as barreiras removidas que nos separariam d'Ele.

Se você, honestamente, não consegue pensar em nenhum pecado para confessar, então você pode orar como Davi: "Sonda-me, ó Deus, e conhece o meu coração; prova-me, e conhece as minhas inquietações. Vê se em minha conduta algo que te ofende..." (Salmo 139:23-24).

Podemos orar a mais bela das orações, mas se nossos corações não estiverem no caminho do Senhor e houverem pecados não confessados em nossas vidas, essas orações não passarão nem mesmo pelo teto de nossas casas. A confissão de pecados é essencial em nossas orações.

Nenhum comentário:

Postar um comentário