terça-feira, 21 de junho de 2011

Um Processo para a Ressurreição (Parte 3)

"Pois o que primeiramente lhes transmiti foi o que recebi: que Cristo morreu pelos nossos pecados, segundo as Escrituras, foi sepultado e ressuscitou ao terceiro dia, segundo as Escrituras, e apareceu a Pedro e depois aos Doze. Depois disso apareceu a mais de quinhentos irmãos de uma só vez..." (1 Coríntios 15:3-6)

Mais uma das mentiras de Satanás sobre a ressurreição é a teoria da alucinação em massa. Essa teoria propõe que todos os que afirmaram ter visto o Senhor ressuscitado sofreram uma alucinação oriunda do sincero desejo de vê-lo vivo novamente.

O fato é que as alucinações ocorrem normalmente com pessoas que, de uma forma ou de outra, as desejam. Mas a evidência bíblica revela que quando Jesus foi crucificado os discípulos ficaram devastados e destruídos. Sua fé foi em grande parte destruída. Eles não tinham nenhuma esperança de ver Jesus vivo novamente (veja Marcos 16:10-11). Além disso, alucinações, uma vez criadas, são contínuas, mas os discípulos apenas viram Jesus por um tempo muito limitado. Em seguida, novamente deixaram de vê-lo.

As escrituras registram que Jesus não só apareceu aos discípulos em algumas ocasiões, mas que também apareceu a mais de 500 pessoas ao mesmo tempo (veja 1 Coríntios 15:6). É inacreditável que 500 pessoas tivessem alucinações acerca da mesma coisa ao mesmo tempo. Se algum dia esta evidência contra a Ressurreição fosse levada a um tribunal legal, seria certamente considerada infundada.

As mentiras de Satanás sobre a ressurreição nunca se sustentaram porque Jesus está vivo. Ele cumpriu as Escrituras vivendo novamente, conquistando a morte e o pecado. Ele apareceu várias vezes para uma multidão de testemunhas oculares. E cada aparição de Cristo foi uma demonstração carinhosa de que Ele vai ao encontro de seus filhos feridos e necessitados.

Nenhum comentário:

Postar um comentário