quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

Bondade em Todas as Coisas

"Naqueles dias, crescendo o número de discípulos, os judeus de fala grega entre eles queixaram-se dos judeus de fala hebraica, porque suas viúvas estavam sendo esquecidas na distribuição diária de alimento." (Atos 6:1)

Quando no início a igreja primitiva crescia constantemente, quando milagres eram realizados em profusão e quando muitos estavam sendo salvos, as pessoas começaram a reclamar.
Isso lhe parece familiar?

O diabo tentou parar a igreja através da perseguição. Mas em vez de interromper o seu desenvolvimento, ele ajudou a igreja a continuar com o trabalho de ser o que Deus a chamou para ser. Ao invés de se encolher de medo, a igreja tornou-se uma máquina de evangelização. Em seguida, Satanás tentou se infiltrar na igreja através de dois hipócritas, Ananias e Safira. Nós sabemos como Deus lidou com eles (Atos 5:1-11). Então o diabo tentou parar a igreja através da divisão - dividir e conquistar. Assim as pessoas começaram a reclamar sobre coisas pequenas.

Diferenças culturais estavam em evidência na igreja do primeiro século. A cultura grega prevalecia, por causa das conquistas de Alexandre, o Grande. E depois que os romanos conquistaram os gregos e subjugaram o mundo, passaram a adotar grande parte da cultura grega - sua língua, e até mesmo um pouco de sua religião. Portanto, a influência grega foi muito forte no mundo antigo do Novo Testamento.

Algumas viúvas na igreja eram judias que falavam grego e provavelmente tinham sido levadas para fora de Jerusalém. Tendo retornado à Terra Santa, elas estavam se misturando com o que poderia ser descrito como a antiga escola hebraica. Então, praticamente, a igreja teve um choque cultural.

Ainda temos o mesmo problema hoje. Cada geração tem estilo musical e roupas de sua preferência. As pessoas têm certos costumes culturais que acham que são importantes. Às vezes, são baseados em um conceito bíblico, outras vezes são apenas preferências pessoais. Mas a igreja nunca deve causar divisões sobre essas coisas. Como o teólogo Philipp Melanchton declarou: "No essencial, unidade; no não-essencial, liberdade; em todas as coisas, bondade."

quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015

Instrumentos Improváveis

"Estêvão, homem cheio da graça e do poder de Deus, realizava grandes maravilhas e sinais entre o povo." (Atos 6:8)

Estêvão, o primeiro mártir da igreja, morreu ainda jovem. Alguns podem olhar para a forma como ele morreu e pensar: “Que desperdício!” Mas nas palavras de Jim Elliot, outro jovem mártir da fé: “Não é tolo, de forma alguma, aquele que dá o que não pode manter para ganhar o que não pode perder”.

Que tipo de pessoa Deus procura para usar para Sua glória? O que qualifica uma pessoa a ser selecionada por Deus para ser Seu instrumento? Será que é um grande intelecto ou a quantidade de diplomas dependurados na parede? Você precisa ser fisicamente atraente? Precisa ter nascido um líder? O que dizer de uma pessoa que é tímida? O que dizer de uma pessoa que não é fisicamente atraente? O que dizer de pessoas que muitas vezes são classificadas como “comuns”? Há um lugar para pessoas como essas?

Eu acho que sim. Isso porque uma das coisas que se sobressaem nas Escrituras é o uso de Deus de pessoas, que amais imaginaríamos pudessem ser usadas por Ele.
E se minha vida pode usada como exemplo de alguma coisa, essa é uma delas.

Então, porque Deus faz isso?
Achamos a resposta em 1 Coríntios 1:27-29:
Mas Deus escolheu as coisas loucas do mundo para envergonhar os sábios, e escolheu as coisas fracas do mundo para envergonhar as fortes. Ele escolheu as coisas insignificantes do mundo, as desprezadas e as que nada são, para reduzir a nada as que são, para que ninguém se vanglorie diante dele.

Deus busca pessoas “inesperadas” para serem usadas para a Sua glória.
- Você está disposto a ser uma dessas pessoas?

terça-feira, 24 de fevereiro de 2015

Uma Vida Plena

"Mais do que isso, considero tudo como perda, comparado com a suprema grandeza do conhecimento de Cristo Jesus, meu Senhor, por cuja causa perdi todas as coisas. Eu as considero como esterco para poder ganhar a Cristo" (Filipenses 3:8)

Hoje em dia as pessoas pensam sobre como prolongar suas vidas, quer seja por meio de pesquisas com células-tronco, clonagem, criogenia, ou a mais recente "poção". Acho graça nos produtos que prometem ajudar a viver mais tempo. Percebo que as pessoas podem comer todo o tofu e gérmen de trigo que quiserem, mas suas vidas acabarão quando chegarem ao fim, inexoravelmente.

No entanto, algumas pessoas tornam-se obcecadas com o conceito de viver mais tempo. De acordo com uma reportagem de capa da revista Life, existem alguns cientistas que sugerem que podemos e vamos parar de envelhecer. Mas o artigo passou a perguntar se realmente queremos parar de envelhecer. Em outras palavras, será que realmente queremos viver para sempre? Acho que tudo se resume ao tipo de vida que você leva. A ciência médica pode procurar acrescentar anos à sua vida, mas só Deus pode acrescentar vida aos seus anos e dar-lhe uma vida que valha a pena ser vivida.

Nosso objetivo como cristãos não deveria ser viver apenas viver uma vida longa; o nosso objetivo deve ser o de viver uma vida plena, uma vida significativa e com propósito.

Jim Eliot é um exemplo de um cristão que fez isso. Quando jovem, sentiu que Deus estava chamando-lhe para levar o evangelho a uma tribo no Equador, conhecida como os Auca. Tragicamente, Jim foi martirizado junto com outros quatro missionários em sua tentativa de compartilhar o evangelho. Jim uma vez escreveu em seu diário: "Eu não procuro uma vida longa, mas plena. Como Você, Senhor Jesus." Eis um ótimo pensamento: A vida não é uma questão de anos; é uma questão do que fazer com eles.
- O que você tem feito com os anos que Deus lhe deu?

segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

Escolhas Certas

"Lembre-se do seu Criador nos dias da sua juventude, antes que venham os dias difíceis e antes que se aproximem os anos em que você dirá: 'Não tenho satisfação neles.'" (Eclesiastes 12:1)

Um provérbio francês diz: "Quarenta anos é a velhice dos jovens; cinquenta é a juventude dos velhos." De acordo com os franceses, ainda sou uma pessoa jovem, relativamente falando.

No entanto, minha esposa e eu fomos ao cinema um outro dia, quando soubemos que eles davam descontos para idosos. Perguntei sobre o desconto para um funcionário jovem, esperando ser questionado sobre o assunto. Mas, sem qualquer hesitação, o jovem empregado só me deu o meu bilhete.

Estou num ponto da vida chamado “meia-idade”, no qual eu não me importaria muito se conhecesse apenas mais algumas pessoas de 100 anos. Quando você está na meia-idade, você começa a se perguntar quem coloca areia movediça na ampulheta do tempo, porque os seus dias, meses e anos passam muito rapidamente.

Então eu lhe pergunto: qual é a história que a sua vida está contando?
A minha história é simples: sou a prova viva de que Deus pode pegar uma vida cheia de problemas e salvá-la. Essa é a minha história.
- Qual é a sua?
Todos temos uma história para contar. E tudo o que precisamos para fazer um balanço de nossas vidas é perguntar: “No que a minha vida se resume? Qual é o legado que eu vou deixar? Como vou ser lembrado?”

É muito importante não pensar nisso somente quando você estiver mais velho. É fundamental refletir quando você ainda é jovem, quando você traça o curso que a sua vida vai tomar. É quando você desenvolve hábitos e toma decisões, como a carreira que você vai seguir e com qual pessoa vai se casar.

Você vai decidir a noite da sua vida, na manhã dela, ou o fim pelo começo.
Por isso, faça hoje as escolhas certas.
Link para o texto original

O Pecado Imperdoável

"Como escaparemos nós, se negligenciarmos tão grande salvação? Esta salvação, primeiramente anunciada pelo Senhor, foi-nos confirmada pelos que a ouviram. Deus também deu testemunho dela por meio de sinais, maravilhas, diversos milagres e dons do Espírito Santo distribuídos de acordo com a sua vontade." (Hebreus 2:3-4)

De vez em quando sou questionado sobre o significado da "blasfêmia contra o Espírito Santo", a qual Jesus disse que era um pecado imperdoável. Ele disse: "[...] Todo pecado e blasfêmia serão perdoados aos homens, mas a blasfêmia contra o Espírito não será perdoada." (Mateus 12:31).

Quando Deus está tentando trazer uma pessoa à fé e essa pessoa diz não, ela está resistindo ao Espírito Santo. Este é um pecado que só um incrédulo pode cometer. A obra do Espírito Santo, como Jesus disse, é "convencer o mundo do pecado, da justiça e do juízo" (João 16:8). E quando alguém se recusa a aceitar Cristo, está negando a própria missão do Espírito Santo, ao afirmar que não precisa de salvação, dizendo: "Não só estou dizendo não para isso. Também estou dizendo que não ligo para a morte de Jesus. E se Ele morreu, Sua morte foi em vão. Eu não me importo se Ele derramou Seu sangue. Isso não significa nada para mim."

Isto insulta o Espírito Santo, porque a Bíblia diz: "Quão mais severo castigo, julgam vocês, merece aquele que pisou aos pés o Filho de Deus, que profanou o sangue da aliança pelo qual ele foi santificado, e insultou o Espírito da graça?" (Hebreus 10:29).

Portanto, a blasfêmia contra o Espírito Santo é quando um incrédulo nega o trabalho do Espírito em mostrar-lhe a sua necessidade de Jesus e em levá-lo à fé. Ao resistir e virar as costas para a oferta graciosa de perdão de Deus, pode-se insultar (e até mesmo blasfemar) o Espírito Santo, entrando num caminho sem volta.
Resistir ao apelo do Espírito Santo é insultar a Deus e eliminar totalmente a esperança de salvação.

quinta-feira, 19 de fevereiro de 2015

O Joio e o Trigo

"Jesus lhes contou outra parábola, dizendo: 'O Reino dos céus é como um homem que semeou boa semente em seu campo. Mas enquanto todos dormiam, veio o seu inimigo e semeou o joio no meio do trigo [...]'" (Mateus 13:24-25)

Jesus contou uma história conhecida como a parábola do joio e do trigo. Nessa história, ele falou de um fazendeiro que plantou uma seara de trigo. Durante a noite, um inimigo seu (talvez até um concorrente) veio e semeou joio, que é espécie de erva daninha, no meio do trigo.

O joio que Jesus descreveu nessa parábola também é conhecido em alguns lugares como "falso trigo" [nome científico: Lolium temulentum], e é quase igual em aparência ao trigo nas primeiras etapas de crescimento. Depois que cresce um pouco mais, contudo, torna-se evidente que é uma erva daninha, que até sufoca o trigo.

Um dos trabalhadores do fazendeiro perguntou-lhe: "Vamos arrancar o joio?" E ele respondeu: "Não, assim você vai machucar o trigo. Vamos deixar crescer os dois até a colheita. Aí eu direi aos ceifadores que separem o joio e o queimem e que ponham o trigo no celeiro".

Jesus contou essa história para mostrar que há na igreja pessoas infiltradas em nossas fileiras. Embora haja trigo, também há joio. Não sabemos necessariamente quem é quem. Encontram-se os dois sentados lado a lado nos bancos nos cultos, respirando o mesmo ar e cantando os mesmos hinos. Um pode ser crente e o outro descrente. Um pode ser trigo e o outro joio.

Sempre teremos pessoas infiltradas em nossas fileiras, os Ananias e as Safiras e os Judas Iscariotes - plantas satânicas que minam a Palavra de Deus. Mas não é trabalho nosso arrancar essas pessoas. Não vemos o coração de ninguém. Não é da nossa conta quem sejam os hipócritas. Mas sim, que não sejamos nós mesmos hipócritas. Nosso trabalho é cuidar de nós mesmos, atentar e garantir que sejamos crentes fiéis.  

quarta-feira, 18 de fevereiro de 2015

Sem Fingimento

"Então perguntou Pedro: 'Ananias, como você permitiu que Satanás enchesse o seu coração, a ponto de você mentir ao Espírito Santo e guardar para si uma parte do dinheiro que recebeu pela propriedade?'" (Atos 5:3)

Atos 5, conta a história de Ananias e Safira, um casal que mentiu para o Espírito Santo, fingindo ser algo que não eram. Ananias e Safira queriam que os outros pensassem que eram mais voltados para Deus do que na verdade eram.

Ironicamente, o nome Ananias significa "Deus é misericordioso", mas Ananias também descobriu que Deus é santo. Safira significa "bonito", mas ela descobriu o quanto o pecado pode ser feio.

Naquele momento a igreja vivia junta, em comunidade, porque havia uma grande perseguição contra os crentes. Alguns tinham perdido as suas casas e a sua renda. Então outros crentes que tinham recursos e meios, os ajudavam. Todos tinham a opção de fazer o que bem quisessem. De fazer o que Deus os levasse a fazer; e, alguns estavam vendendo suas propriedades e dando - tudo ou em parte - à igreja. Ananias e Safira venderam uma propriedade, mas agiram de má fé retendo parte do dinheiro e doando somente a outra parte, dizendo que era o valor total da propriedade. A questão aqui não era sobre dar ou não dar. A questão aqui é a mentira. A questão é a de ter dito uma coisa, quando na verdade fizeram outra diferente.

Jesus advertiu sobre isso: "Tenham o cuidado de não praticar suas ‘obras de justiça’ diante dos outros para serem vistos por eles. Se fizerem isso, vocês não terão nenhuma recompensa do Pai celestial. [...] que você preste a sua ajuda em segredo. E seu Pai, que vê o que é feito em segredo, o recompensará" (Mateus 6:1-4)

Todos temos feito isso. Já tentamos parecer mais espirituais do que realmente somos. Melhor é um pecador assumido do que fingir ser algo que você realmente não é. Este foi o problema de Ananias e Safira. Eles foram atores, hipócritas; mas a Deus não se pode enganar.