sexta-feira, 17 de abril de 2015

Para Sempre o Mesmo

"Jesus Cristo é o mesmo, ontem, hoje e para sempre." (Hebreus 13:8)

A Bíblia descreve uma época na história de Israel quando "cada um fazia o que lhe parecia certo" (Juízes 17:6). Isso também me parece uma boa descrição do nosso tempo atual. Ao invés de viver de acordo com um padrão, como os Dez Mandamentos, muitos fazem suas próprias regras e utilizam uma escala flexível de moralidade, imaginando ser, pelo menos, melhor que o seu próximo.

Isso me lembra do que advertiu o profeta Isaías: "Ai dos que chamam ao mal bem e ao bem, mal, que fazem das trevas luz e da luz, trevas, do amargo, doce e do doce, amargo." (Isaías 5:20). É aí que está a nossa cultura nos dias de hoje. Zombamos do que é bom e puro e celebramos o que é mau e pecaminoso. Bom é chamado de mal e mal é chamado de bom em nosso mundo virado.

Acho que nossa geração pode ser chamada de a "Geração-do-eu", porque pensamos em tudo, o tempo todo, para nós mesmos. É tudo sobre conseguir o que queremos e quando o quisermos. Agora que podemos obter as nossas próprias informações exatamente quando precisamos, não quero que me digam o que podemos ver ou ouvir, ou deixar os outros decidir quando podemos ouvir e ver. Queremos o que queremos e quando o quisermos. E muitos adotam a mesma abordagem para a moralidade.

Então, como vamos chegar a uma cultura que valha a pena? Resposta: nós a alcançaremos da mesma forma que os cristãos alcançaram sua cultura há 100 anos, e há 300 anos, e há 500 anos e há 2.000 anos. Chegamos a nossa cultura com a autoridade e a mensagem da Palavra de Deus, porque isso nunca muda, não importa o que aconteça. "Jesus Cristo é o mesmo ontem, hoje e para sempre" (Hebreus 13:8). 

quinta-feira, 16 de abril de 2015

Encontrando Propósito na Dor

"Apenas cuidado! Muito cuidado, para que vocês nunca se esqueçam das coisas que os seus olhos viram; conservem-nas na memória por toda a sua vida. Contem-nas a seus filhos e a seus netos." (Deuteronômio 4:9)

Quando os israelitas estavam prontos para entrar na Terra Prometida, Deus alertou sobre o esquecimento d'Ele no momento de prosperidade. Antes daquele momento, Israel tinha vagado no deserto por 40 anos. Todos os dias eles saiam de suas tendas em busca do maná, aguardando como alguém que espera o jornal pela manhã. Eles deveriam comer o maná pela manhã, no almoço e no jantar. Então Deus os guiaria pelo deserto, com uma nuvem durante o dia e o fogo durante a noite. Eles eram completamente dependentes de Deus, em tudo.

Mas Deus os levou até a terra prometida. Eles podiam ver as lindas montanhas verdes, e os rios correndo. Eles provavelmente ouviram sobre os montes de uvas que os espiões trouxeram: tão grandes que dois homens eram necessários para carrega-los. Então eles mal podiam esperar para entrar em Canaã. Mas Deus basicamente disse: “Agora prestem muita atenção, pois quando chegarem lá o perigo maior é que esqueçam tudo a Meu respeito”.

Muitas vezes é durante os momentos de prosperidade que esquecemos de Deus. A prosperidade tende a deixar as pessoas orgulhosas e “autossuficientes”. Pensamos que não precisamos de Deus quando temos nossos salários, investimentos, carreiras, casa, saúde e família. Mas quando a economia muda de direção e os investimentos definham, ou a casa pega fogo, então esperançosamente nos viramos para Deus e nos lembramos do que realmente importa. A adversidade nos alerta e nos mantém humildes. 

Observe que quando a dor chega, quando a tragédia aparece, todos nós oramos. E oramos muito. A dor nos faz lembrar de uma necessidade profunda: a necessidade de Deus em nossas vidas. Então não precisamos ter tanto medo da dor, pois Deus pode usá-la para nos deixar mais próximos d'Ele.

quarta-feira, 15 de abril de 2015

Não Há Passes Livres

"Não só isso, mas também nos gloriamos nas tribulações, porque sabemos que a tribulação produz perseverança; a perseverança, um caráter aprovado; e o caráter aprovado, esperança. E a esperança não nos decepciona, porque Deus derramou seu amor em nossos corações, por meio do Espírito Santo que ele nos concedeu." (Romanos 5:3-5)

Algumas pessoas acreditam que, por serem cristãs, estão isentas do sofrimento humano. Pensam que as coisas ruins acontecem só para os incrédulos; e não para os cristãos. Mas coisas inexplicáveis acontecem às pessoas piedosas. Os cristãos têm câncer. Cristãos morrem em acidentes de automóvel. Os cristãos têm todos os problemas que outras pessoas no mundo geralmente têm. E isso às vezes nos choca. Ficamos surpresos quando temos problemas na vida – problemas em nossa carreira, problemas com a nossa família, problemas com os nossos filhos.

Depois que meu filho Christopher foi para o céu, algumas pessoas vinham até mim e diziam: “Não posso acreditar que isso aconteceu com você.” A ideia é que eu, por ser um pastor e pregar o evangelho, deveria de alguma forma obter um passe livre no sofrimento experimentado pelo restante da raça humana.

A Bíblia ensina que todos nós teremos dificuldades. O apóstolo Paulo escreveu: “Não só isso, mas também nos gloriamos nas tribulações, porque sabemos que a tribulação produz perseverança; a perseverança, um caráter aprovado; e o caráter aprovado, esperança. E a esperança não nos decepciona [...]” (Romanos 5:3-5).

Você pode olhar para alguma tragédia que ocorreu em sua vida e pensar: bem, não vejo nada de bom nisso que aconteceu. Mas talvez daqui a algum tempo você vai enxergar algo positivo nisso que passou. Um pouco mais adiante ainda, você poderá ver coisas muito positivas nessa tragédia acontecida. E isso não deve ser diferente até a eternidade, quando você verá toda a sua vida e se dará conta de que aquela tragédia serviu para um bem maior.

Mas até esse dia chegar, há um Deus que promete que, apesar da pior tragédia, Ele pode tirar algo bom do mal.

terça-feira, 14 de abril de 2015

Quando Duvidamos

"Mas Pedro continuou batendo e, quando abriram a porta e o viram, ficaram perplexos." (Atos 12:16)

Algumas pessoas dizem que quando oramos devemos ter fé e que quando temos a menor dúvida, nossa oração não será atendida. Isso simplesmente não é verdade.

Quanta fé tinha Lázaro quando Jesus o ressuscitou dos mortos? Nenhuma. E quanto às pessoas junto do túmulo, que choravam? Provavelmente não tinham muita fé. E o homem que disse: "Creio, ajuda-me a vencer a minha incredulidade!" (Marcos 9:24), e Jesus atendeu sua oração mesmo assim?

Todos temos horas em que nossa fé não é tão forte como deveria. Mas Deus pode operar, mesmo não tendo tanta fé como deveríamos. Isso não nos exime de buscar a fé. Devemos mesmo assim orar com fé. E devemos orar com persistência.

Quando Pedro necessitou um milagre para o tirar da prisão, Deus aguardou até o último instante para resgatá-lo. E é realmente o caso de tirar o chapéu para Pedro: sem saber qual seria seu destino, ele estava, ainda assim, dormindo tão profundamente que o anjo precisou acordá-lo. Diz o Salmo 127:2 que Deus "concede o sono àqueles a quem ama" e certamente Ele concedeu sono a Seu amado Pedro.

Então, mesmo que os homens da igreja primitiva tenham orado com paixão e persistência, ainda assim ficaram estarrecidos quando Deus de fato atendeu as suas orações e viram Pedro diante deles. Obviamente, eles haviam orado com alguma dúvida. Mas mesmo que as suas orações tenham sido fracas, foram mais poderosas que Herodes e mais poderosas do que as forças do inferno.

Isso me dá grande esperança, pois nem sempre sou um homem de muita fé. Há certas horas em que oro por algo e me pergunto se aquilo poderia de fato acontecer. E é animador saber que mesmo quando sou fraco, Deus ainda pode intervir e atender a minha prece.
Link para o texto original

segunda-feira, 13 de abril de 2015

Ainda Não Acabou

"Entretanto, a palavra de Deus continuava a crescer e a espalhar-se." (Atos 12:24)

No início de Atos 12, encontramos um Herodes aparentemente todo-poderoso causando estragos na igreja. Ele tinha a seu lado o poder do governo, a espada e a ameaça de prisão. Mas a igreja tinha a seu lado o Criador do universo e a arma secreta chamada oração.

Conforme Atos 12 vai chegando ao fim, encontramos o grande Herodes dando um discurso. O historiador judeu Josephus mostra que, neste caso particular, Herodes estava vestido de prata da cabeça aos pés. Enquanto o sol refletia nele, parecia um deus para o povo. Ao final de seu discurso, o povo estava tão impressionado que começaram a gritar: "É voz de deus e não de homem!" (versículo 22). Enquanto isso, Herodes aproveitava tudo. Então, em seguida lemos que "imediatamente um anjo do Senhor o feriu e ele morreu comido por vermes." (versículo 23). O Senhor deu um golpe fatal num homem mau. A narrativa termina com: "Entretanto, a palavra de Deus continuava a crescer e a espalhar-se." (versículo 24).

Então Atos 12 começa com Herodes num tumulto, prendendo e perseguindo os líderes da igreja. Tiago está morto, Pedro está na prisão e Herodes parece estar triunfando. Mas o capítulo termina com o próprio Herodes abatido, Pedro livre, e a Palavra de Deus triunfando.

Se você é um seguidor de Jesus Cristo, tem acesso a Deus através de um relacionamento direto com Ele. Você pode chamar pelo Deus Todo-Poderoso, que vai ouvi-lo e vai responder as suas orações de acordo com Sua vontade.

Veja: isso não acaba até que termine. É por isso que precisamos continuar orando.

sexta-feira, 10 de abril de 2015

Quando Estamos Sobrecarregados

"Desde os confins da terra eu clamo a ti, com o coração abatido; põe-me à salvo na rocha mais alta do que eu." (Salmos 61:2)

Deus prometeu nos dar uma paz que excede a todo entendimento, mas não necessariamente uma paz que sempre nos dará entendimento.

Você pode agora enfrentar uma crise pessoal. Pode ser a falta de emprego, ou a entrega de sua casa ou a perda de seus investimentos.  Pode ser que você tenha um casamento fracassado ou um filho pródigo. Pode ser que você tenha uma doença com risco de vida; ou que esteja paralisado pelo medo, devido a um futuro incerto. Então, o que você deve fazer? A Bíblia nos diz que a resposta para a preocupação é a oração: "Não andem ansiosos por coisa alguma, mas em tudo, pela oração e súplicas, e com ação de graças, apresentem seus pedidos a Deus. E a paz de Deus, que excede todo o entendimento, guardará os seus corações e as suas mentes em Cristo Jesus." (Filipenses 4:6-7).

Eu tenho vivido com essas palavras desde a partida do meu filho Christopher para o céu, porque eu tenho sido atingido com a dura realidade da sua ausência. Tem havido ondas de profunda tristeza que tomam conta de mim às vezes. Então eu oro. Às vezes minhas orações não são longas, mas simplesmente um grito a Deus: Deus, me ajude! Dá-me força neste momento. E Ele o faz. Ele me dá a força que preciso. Não é necessariamente mais do que preciso, mas Ele me dá o que eu preciso para o que estou enfrentando no momento.

O salmista escreveu: "Desde os confins da terra eu clamo a ti, com o coração abatido; põe-me à salvo na rocha mais alta do que eu" (Salmo 61:2). Então, quando você se sentir sobrecarregado, ore. As coisas vão para o seu devido lugar, em sua vida, de acordo com a perfeita vontade d'Ele.

quinta-feira, 9 de abril de 2015

Paixão e Persistência

"Peçam, e lhes será dado; busquem, e encontrarão; batam, e a porta lhes será aberta. Pois todo o que pede, recebe; o que busca, encontra; e àquele que bate, a porta será aberta." (Mateus 7:7-8)

A igreja primitiva orou com paixão e persistência. Quando Pedro ficou detido na prisão, "a igreja orava intensamente a Deus por ele" (Atos 12:5). Outra maneira de traduzir a palavra "intensamente" seria "seriamente". É a mesma palavra usada para descrever a oração de Jesus no Jardim do Getsêmani. O Evangelho de Lucas nos diz: "Estando angustiado, ele orou ainda mais intensamente; e o seu suor era como gotas de sangue que caíam no chão" (Lucas 22:44). Essa foi uma oração de paixão. Foi uma oração agonizante. E era assim que a igreja primitiva orava.

Muitas vezes, o problema é que a nossa oração não tem poder, porque não há coração nela. Se colocarmos pouco coração em nossas orações, não podemos esperar que Deus coloque muito coração ao respondê-las. Alguém vai nos dizer sobre a crise que está enfrentando e vamos orar: "Oh, Senhor, só ajude-o... E depois volte para mim." Não oramos com paixão. Não oramos continuamente.

Jesus disse: "Peçam, e lhes será dado; busquem, e encontrarão; batam, e a porta lhes será aberta. Pois todo o que pede, recebe; o que busca, encontra; e àquele que bate, a porta será aberta." (Mateus 7:7-8). No idioma original, isso pode ser traduzido como: "Continue a perguntar. Continue buscando. Mantenha-se batendo à porta." Em outras palavras, seja persistente e mantenha essa persistência.

Vamos orar por algo uma, duas, ou talvez três vezes e, em seguida, dizer: "Bem, acho que Deus não vai responder a essa oração." Deus não se irrita com nossas orações. Continue orando. A igreja primitiva, quando necessitada, orava para Deus com grande persistência. Então, não vamos desistir tão facilmente.