sexta-feira, 20 de outubro de 2017

A Igreja Triunfante

"De todos os lados somos pressionados, mas não desanimados; ficamos perplexos, mas não desesperados; somos perseguidos, mas não abandonados; abatidos, mas não destruídos." (2 Coríntios 4:8-9)

Houve um período na história da igreja que se estendeu do ano 100 DC ao ano 314 DC, durante o qual milhares e milhares de corajosos cristãos selaram seu destino com seu sangue. Os historiadores seculares concordam que houve 10 grandes perseguições - 10 grandes tentativas de eliminar o cristianismo da face da Terra.

Isso começou com o perverso César Nero, que presidiu a morte de Paulo. Os cristãos foram jogados de comida para animais selvagens. Eles foram mortos nas arenas romanas por esporte. Foram destruídos, torturados, queimados em estacas. O imperador romano Diocleciano achou que teve tanto sucesso na erradicação do cristianismo que mandou produzir uma moeda comemorativa com as palavras: "A religião cristã está destruída e a adoração dos deuses [romanos] está restaurada". Bem, as coisas não aconteceram bem assim como Diocleciano pensava, porque a igreja cristã permanece até os nossos dias. E o que restou do império romano? O que restou de César? Como Jesus disse sobre a Sua igreja: as portas do inferno não poderão vencê-la (ver Mateus 16:18).

Quando alguém zomba de nós, nos critica ou quer nos machucar fisicamente porque somos seguidores de Jesus Cristo, tendemos a pensar que isso é a pior coisa que pode acontecer. Mas também é um emblema de honra, porque, se você é perseguido, isso significa que está fazendo algo certo.

Deus permitirá perseguições em nossas vidas. A Bíblia diz: "De fato, todos os que desejam viver piedosamente em Cristo Jesus serão perseguidos." (2 Timóteo 3:12).

Somos rápidos em nos lembrar das promessas de provisão e proteção de Deus, mas não estamos tão ansiosos para nos agarrarmos às promessas de Deus sobre perseguições.
Mas isso pode ter um impacto positivo em nossas vidas.
Link para o texto original

quinta-feira, 19 de outubro de 2017

A Grande Comissão

"Pensem nisto, pois: Quem sabe que deve fazer o bem e não o faz, comete pecado" (Tiago 4:17)

À medida que pensamos na proximidade da eternidade, precisamos olhar para as nossas oportunidades e nos perguntar: "O que estou fazendo com a Grande Comissão que Deus me deu?"

A Grande Comissão não foi uma Grande Sugestão. Em seu idioma original, é um comando. Jesus disse que devemos ir e fazer discípulos de todas as nações. Ele não disse: "Se você arrumar tempo na sua agenda, vá e faça discípulos de todas as nações", ou "Somente aqueles de vocês que são chamados para o evangelismo devem ir e fazer discípulos de todas as nações. Os demais estão desculpados".

Não. Esse comando foi dado a todos nós, não apenas evangelistas, pastores e missionários. É para todos os seguidores de Jesus, incluindo mães, donas-de-casa, funcionários de escritório, estudantes e trabalhadores da construção civil.

O problema é que, para muitos, a Grande Comissão tornou-se a Grande Omissão. E se você não busca a Grande Comissão, isso pode ser um pecado, porque há pecados de instrução e de omissão.

O pecado da instrução é fazer o que você não deve fazer, mas o pecado da omissão é falhar em não obedecer a Deus. Tiago 4:17 diz: "Quem sabe que deve fazer o bem e não o faz, comete pecado." E é isso que acontece quando falhamos em pregar o evangelho. É falhar em trazer a única resposta que pode mudar as pessoas no momento e na eternidade.

É ótimo ajudar pessoas com necessidades físicas. Jesus disse que, quando ajudamos as pessoas necessitadas, fazemos isso por Ele (ver Mateus 25:40). Mas se não conseguirmos trazer-lhes o evangelho, será uma lástima, porque uma vez que nós - e aqueles que conhecemos - entrarmos na eternidade, não haverá outra chance. 

quarta-feira, 18 de outubro de 2017

Não é Simplesmente um Destino

"Não se perturbe o coração de vocês. Creiam em Deus; creiam também em mim. Na casa de meu Pai há muitos aposentos; se não fosse assim, eu lhes teria dito. Vou preparar-lhes lugar. E se eu for e lhes preparar lugar, voltarei e os levarei para mim, para que vocês estejam onde eu estiver." (João 14:1-3)

Warren Wiersbe disse: "Para o cristão, o céu não é simplesmente um destino, é uma motivação".

Precisamos parar de pensar no céu de uma maneira mística, em uma espécie de versão de desenho animado que nos foi transmitida através de vários filmes, livros e comerciais, onde as pessoas estão passeando nas nuvens, tocando harpas.

A Bíblia fala de música e adoração no céu, mas o céu é um lugar real; não é um mero estado de espírito. Jesus disse: "Eu vou preparar um lugar para você. Quando tudo estiver pronto, eu irei buscá-lo, para que você sempre esteja comigo onde eu estou" (João 14: 2-3).

Na verdade, a Bíblia descreve o Céu como "a cidade que tem alicerces, cujo arquiteto e edificador é Deus" (Hebreus 11:10). As cidades são lugares. As cidades têm prédios. Elas têm cultura. Eles têm arte. Elas têm música. Elas têm bens. Elas têm serviços. Eu não vou estar sentado em uma nuvem no céu; Eu vou estar no céu em uma cidade. É isso que a Bíblia promete.

O céu também é descrito na Bíblia como um país: "Em vez disso, esperavam eles uma pátria melhor, isto é, a pátria celestial. Por essa razão Deus não se envergonha de ser chamado o Deus deles, pois preparou-lhes uma cidade" (Hebreus 11:16).

Então o céu é uma cidade. É um país. É um lugar. E quando chegarmos ao Céu, vamos receber novos corpos. Os planos do nosso corpo glorificado estão nos corpos que agora possuímos.

Então, o que é o céu? O céu é um lugar. E o céu é a vida terrena do crente, glorificada e aperfeiçoada.

terça-feira, 17 de outubro de 2017

Tudo Começa Com o Importar-se

"Indo Filipe para uma cidade de Samaria, ali lhes anunciava o Cristo." (Atos 8:5)

No livro de Atos, encontramos essa história sobre Filipe, um dos discípulos de Jesus:

"Indo Filipe para uma cidade de Samaria, ali lhes anunciava o Cristo. Quando a multidão ouviu Filipe e viu os sinais miraculosos que ele realizava, deu unânime atenção ao que ele dizia. Os espíritos imundos saíam de muitos, dando gritos, e muitos paralíticos e mancos foram curados. Assim, houve grande alegria naquela cidade" (Atos 8:5-8). 

Filipe tinha piedade dos não crentes. Considere por um momento onde ele estava indo: Samaria. Sendo um judeu, Filipe normalmente não tinha nada a fazer com os samaritanos. Na verdade, ele estava indo para os inimigos de Israel. Os judeus desprezavam os samaritanos e vice-versa.

Na conversa de Jesus com a mulher no poço de Samaria, ela disse-lhe: "Como o senhor, sendo judeu, pede a mim, uma samaritana, água para beber?" (João 4:9).

Filipe estava disposto a transpassar as linhas culturais com a mensagem do evangelho e a chegar ao povo samaritano. Filipe tinha piedade dos não-crentes, assim como nós também devemos ter.

Alexander Maclaren disse: "Diga-me a profundidade da compaixão de um cristão e eu lhe direi a medida da sua utilidade."

Podemos conversar durante o dia todo sobre técnicas para compartilhar a nossa fé e ter as respostas certas para certas perguntas, mas se não nos importarmos com as pessoas não-crentes, nada disso vai realmente importar.

As pessoas não se importam com o quanto você sabe, até saberem o quanto você se importa. Compartilhar o evangelho começa com o importar-se com o outro.
Link para o texto original

segunda-feira, 16 de outubro de 2017

Entre dois mundos

"Ele fez tudo apropriado a seu tempo. Também pôs no coração do homem o anseio pela eternidade; mesmo assim este não consegue compreender inteiramente o que Deus fez." (Eclesiastes 3:11)

Tenho percebido que, na maioria das vezes, os trailers dos filmes são melhores do que os filmes em si. As melhores partes estão lá. Mas as pessoas não vão ao cinema para assistir ao trailer; elas querem ver o filme.

De muitas formas, a vida na terra é como um trailer, e a eternidade é como um filme. O grande evento é a vida eterna, porque a eternidade é eterna, não é preciso dizer. Tem sido dito que a eternidade para o cristão é como o dia que não acaba, mas para o não cristão é como a noite sem o nascer do sol.

Como cristão, eu sei que estarei com Cristo no Céu. E sei que um dia Ele virá à Terra novamente estabelecer o Seu reino. Eu coloquei minha fé e esperança em Cristo. E essa esperança não se trata de pensamentos positivos ou otimismo cego; é uma confiança silenciosa, uma certeza sobrenatural.

De onde os cristãos obtém essa esperança? Das Escrituras. Como o salmista escreveu: "Tu és o meu abrigo e o meu escudo; e na tua palavra coloquei a minha esperança." (Salmos 119:114)

A partir do momento que nascemos, entramos em uma jornada projetados para algo maior. A razão disso é porque Deus nos fez à Sua imagem. Eclesiastes 3:11 nos diz: "Ele fez tudo apropriado a seu tempo. Também pôs no coração do homem o anseio pela eternidade; mesmo assim este não consegue compreender inteiramente o que Deus fez."

No fundo de nossos corações, temos o desejo de estar com Deus. E até aquele dia, estaremos essencialmente vivendo entre dois mundos.

sexta-feira, 13 de outubro de 2017

Como Uma Sombra

"Diante de ti somos estrangeiros e forasteiros, como os nossos antepassados. Os nossos dias na terra são como uma sombra, sem esperança." (1 Crônicas 29:15)

Um dia, talvez antes do que esperamos, vamos entrar na eternidade. Então, como será medido o valor de nossos dias?

O que vai importar não será o que você comprou, mas o que construiu. Não vai importar o que você teve, mas aquilo que você deu. Não vai importar o que você aprendeu, mas sim o que ensinou. Não a sua competência, mas sim o seu caráter. Não o seu sucesso, mas sim o seu significado. Noutras palavras: por que você fez aquilo que fez?

Um dia, quando estivermos numa cerimônia de premiação no Céu conhecida como Tribunal de Cristo, recompensas serão distribuídas. A questão, aí, não é se você vai ou não para o céu, porque o Tribunal de Cristo ocorre no Céu. Mas as recompensas serão dadas, e o teste, segundo as Escrituras, é da motivação. No dia final, Deus não vai dizer: "Muito bem, servo bom e bem-sucedido".

Em vez disso, Ele dirá: "Muito bem, servo bom e fiel".

Não quer dizer que não se possa ser bem-sucedido e também fiel. Afinal, certamente é melhor do quer ser fracassado e infiel. Queremos fazer o que fizermos pela a glória de Deus e fazer o melhor que pudermos. Mas também queremos ter as prioridades certas, pois a eternidade deve estar sempre em vista em tudo o que dizemos e fazemos.

A Bíblia nos diz que nossos dias na terra são curtos: "Diante de ti somos estrangeiros e forasteiros, como os nossos antepassados. Os nossos dias na terra são como uma sombra, sem esperança" (1 Crônicas 29:15).

Nós agimos como se a nossa vida nesta terra fosse o evento principal, e a nossa vida depois, bom... fica para depois. Mas nada podia estar mais longe da verdade.

quinta-feira, 12 de outubro de 2017

Como Ouvirão?

"Como, pois, invocarão aquele em quem não creram? E como crerão naquele de quem não ouviram falar? E como ouvirão, se não houver quem pregue?" (Romanos 10:14)

Não sabemos o seu nome: a Bíblia simplesmente o idenfica como "homem da Etiópia". Ele basicamente tinha tudo o que este mundo tem para oferecer nas questões de felicidade e realização. Como encarregado de todas as questões financeiras de seu país, ele provavelmente tinha riqueza, influência e fama. Porém havia algo faltando em sua vida, que o fez buscar a Deus.

Essa busca o levou à capital espiritual do mundo, Jerusalém. Esse homem estrangeiro, que possivelmente adorou falsos deuses, acreditava que as respostas às perguntas da vida seriam encontradas lá.

Mas ele não encontrou o que procurava em Jerusalém. Ao invés disso, acabou tendo uma conversa com Filipe. Ele terminou tendo um encontro com Deus no deserto.

Deus poderia, soberanamente, ter conversado com o nobre Etíope, mas para isso Ele escolheu Filipe, que era o homem certo, no local certo, na hora certa. À medida que o tal homem lia um trecho do livro de Isaías, Filipe perguntou se ele estava entendendo o que lia.

Ele respondeu: "Como posso entender se alguém não me explicar?" (Atos 8:31)

Precisamos engajar as pessoas, porque Deus escolheu, em primeiro lugar, pessoas para alcançar pessoas.

Deus poderia enviar uma mensagem para todos, simultaneamente. Ele poderia aparecer para nós. Ele poderia escrever sua mensagem no céu. Ou fazer qualquer outra coisa que quisesse, mas escolheu alcançar os outros através de pessoas, usando comunicação verbal. É isso que a Bíblia quer dizer aqui: "Como, pois, invocarão aquele em quem não creram? E como crerão naquele de quem não ouviram falar? E como ouvirão, se não houver quem pregue?" (Romanos 10:14)

Alguma vez você já pensou em alcançar alguém com uma conversa a respeito de Cristo? Como cristãos, somos chamados a fazer a nossa parte no evangelismo.